Psicanálise dos contos de fadas





      Olá pessoal. Hoje venho trazer um livro que faz uma análise detalhada e profunda dos contos de fadas. Estou falando do livro "A psicanálise dos contos de fadas", do escritor Bettelheim.

     O livro faz uma radiografia das mais famosas histórias para crianças, extraindo-lhes o seu verdadeiro significado. Os contos de fadas, considerados por pais e educadores até pouco tempo como “irreais”, “falsos” e “cheios de crueldade”, são, para as crianças, o que há de mais real, por lhes falar, em linguagem mágica sobre o que é real dentro delas. Os pais temem que os contos de fadas afastem as crianças da realidade, por meio do encantamento e da fantasia. Porém, o real, a que adultos comumente se referem, é o extremo, é o mundo circundante, talvez mais cruel do que o das fadas; o conto de fadas, por outro lado, fala de um mundo fantástico, que é bem mais real para as crianças. Isto fica ainda mais claro quando as histórias se situam na “Terra do Nunca”, ou no “Era uma vez um país muito longe...”, ou “Numa época em que os bichos falavam”, evidenciando, assim, que não se trata do aqui, nem do agora da realidade adulta, mas de um território fora do tempo e do espaço. Durante muito tempo, os contos de fadas jazeram esquecidos, desprezados e banidos sob a alegação de irreais e selvagens, em vista de suas tramas sempre altamente dramáticas. Depois que a psicanálise desmitificou a “inocência” e a “simplicidade” do mundo da criança, os contos de fadas voltaram a ser lidos (e discutidos) justamente por descreverem um mundo pleno de experiências, de amor, mas também de destruição, de selvageria e de ambivalências. A psicanálise provou que, na verdade, os pais temem que os filhos os identifiquem com bruxas e monstros, ogros e madrastas e, consequentemente, deixem de amá-los. Porém, ao contrário, podendo vivenciar tudo, identificando a si mesmos e aos pais com personagens dos contos, os filhos têm sua agressividade diminuída, podendo amar os pais de maneira mais sadia. 

      O conto, assim, contribui para um melhor relacionamento familiar, desmanchando as fontes de pressão agressiva que poderiam ser dirigidas aos pais. Entretanto, a maior contribuição dos contos de fadas se dá em termos emocionais ao propor e, concretamente, realizar a fantasia, o escape, a recuperação e o consolo. Desenvolvem na criança a capacidade de fantasiar; fornecem-lhe escapes necessários falando a seus medos internos, a suas ansiedades e seus ódios, seja para vencer a rejeição (como em “João e Maria”), ou para enfrentar os conflitos edípicos com a mãe (como em “Branca de Neve”), seja para se portar diante da rivalidade com irmãos (como em “Cinderela”), ou dos sentimentos de inferioridade (como em “As Três Penas”). Os contos aliviam as pressões exercidas por esses problemas; favorecem a recuperação, incutindo coragem na criança, mostrando-lhe que é sempre possível encontrar saídas; e, finalmente, consolam, e muito: o “final feliz”, que tantos adultos consideram “irreal” e “falso”, é a grande contribuição que eles fornecem à criança, encorajando-a à luta por valores amadurecidos e a uma crença positiva na vida. A psicanálise dos contos de fadas mostra as razões, as motivações psicológicas, os significados emocionais, a função de divertimento e a linguagem simbólica do inconsciente que estão subjacentes nos contos infantis. 

        Já conheciam essa obra? O que acharam dela? Deixe sua opinião nos comentários logo abaixo.


@Gustavo Barberá - 08/06/2019.

5 comentários:

  1. Já conhecia sim mas ainda não li, foi bom você postar essa resenha porque me fez lembrar que é uma obra que preciso adquirir. Adoro contos de fadas e tenho muita curiosidade em saber as motivações psicológicas profundas presentes nessas histórias tão conhecidas.

    ResponderExcluir
  2. Achei interessante, isso me lembrou as canções infantis também e sobre a interpretação delas, que ainda me soam macabras hahaha tipo o boi da cara preta e nana neném que a cuca vem pegar xD

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Já conhecia esse livro por causa de um amigo que fez um trabalho na faculdade usando ele como texto base. Achei-o bem interessante e tenho muita vontade de ler (até pra trabalhar mesmo com pesquisa, já que ele aborda uma área que eu AMO nas Literaturas - meu campo de estudos <3). E fora que ele pode ser lido por qualquer pessoa que se interesse pelos contos de fadas, pelo visto (amo livros teóricos assim *-*)
    Parabéns pelo post e valeu pela ótima dica de leitura ;)
    Beijinhos e boa semana
    https://blogalgodotipo.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  4. Oie!
    Esse livro está na minha lista de desejos, quero muito ler! Acredito que tudo tenha dois lados e, mesmo que as histórias por vezes tenham seus lados problemáticos, não estão isentas também de qualidades que tornam-as importantes e de valia para quem as lê ou assiste! :)
    xoxo

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Eu sou louca para ler esse livro, acho a ideia simplesmente sensacional.

    Beijão!
    Lumusiando

    ResponderExcluir