Resenha do livro "O jardim das borboletas"




Título original: The butterfly garden
Autor: Dot Hutchison
Editora: Planeta
Ano de lançamento:
2016

Número de páginas:
304
 
Confesso que já li thrillers policiais de tirar o folego, mas “O jardim das borboletas” entrou para o primeiro lugar no meu ranking dos livros mais perturbadores, sinistros e aterrorizantes até o momento. Você precisa ter muito estômago e não estar com o psicológico abalado e mesmo estando tranquilo, prepare-se, pois poderá correr o riso de se desestruturar. Algumas noites demorei para pegar no sono pensando no enredo, se a autora realmente o construiu em forma de ficção ou se há alguma realidade envolvida nesse meio, pois se foi da primeira forma, parabéns pela excelente criatividade que tem de articular as palavras. 

         O livro conta a história de um jardim construído por um milionário sociopata e pedófilo, onde abriga garotas com idade entre dezesseis e dezessete anos sequestradas por ele e seu filho mais velho, Avery. Ao chegarem tem suas costas tatuadas com asas de borboletas de vários gêneros e são aprisionadas nesse jardim como propriedades desse Jardineiro (a letra maiúscula é proposital), nome dado pelas garotas, pois ele nunca lhes revelou sua identidade. Essas garotas eram estupradas diariamente por ele e por Avery, que além de possuí-las, as agrediam fisicamente. 


 

         Ao atingirem seus vinte e um anos o Jardineiro as matavam, pois seriam semelhantes as borboletas -  que possuem vida curta - e substituía seu sangue por formaldeído para não apodrecer seus órgãos, as envolvia com resina e colocavam-nas em uma caixa de vidro para serem lembradas eternamente por ele. Submetiam-se a esse mesmo ritual, quem adoecesse, tentasse fugir, engravidasse durante os estupros ou se recusasse em seguir as regras do jardim.



Lá estava o Jardineiro, apoiado na parede do jardim, estudando a garota no vidro. Uma resina transparente preenchia o resto do espaço, e seu vestido dançava no líquido como se ela estivesse embaixo d’água”.



        O enredo do livro se passa parte em uma delegacia do FBI, onde uma das meninas chamada Maya, vítima dessa tragédia conta tudo o que aconteceu, desde que foi sequestrada, inserida no jardim, conhecido as demais garotas, até o momento do seu resgate. E parte com os acontecimentos do jardim durante seu depoimento. É como se fosse naqueles filmes, quando começa-se pelo fim e depois aparece "alguns meses antes..., inicia-se o filme e no final, volta-se ao começo novamente". Ela revela detalhadamente tudo o que aconteceu lá dentro, o que choca toda a equipe e também o leitor, pois em seus relatos é que são apresentados os detalhes de todas as monstruosidades que essas garotas tiveram que passar.
 


        O ambiente era tipo um cenário do Big Brother. Quando alguém precisasse ir até esse jardim para fazer manutenção ou entregar algo, paredes eram baixadas e blindavam o local onde as meninas ficavam. Nesse momento era impossível ouvi-las ou vê-las. O mesmo acontecia, quando alguma delas iam para a morte.


        Maya é a preferida do Jardineiro e mais tarde será a grande paixão de Desmond, seu filho mais novo. Essa garota teve uma vida muito conturbada, renegada pelos pais e abandonada na vida, ela passou por momentos muito difíceis em sua infância, o que a deixou amarga, fria e sem compaixão. Além de ter o dom da manipulação.



- Por que Antígona? – Edson quer saber.

- Sempre achei que ela era bem legal. É forte, corajosa e engenhosa, embora propensa a um certo nível de manipulação emocional.



       Muita coisa bizarra aconteceu nesse jardim e só lendo a obra para poder descobrir e nos levar a pensar em até que ponto o ser humano consegue cometer tantas atrocidades e maldades que, às vezes, nem imaginamos a intensidade. Destaco também a bela capa, os desenhos que separam as partes do livro (são 3) e a diagramação que o deixou com um charme incrível. A tradução ficaram por conta de Débora Isidoro e Carolina Caires Coelho.


@Gustavo Barberá – 23/04/2018



Menu

20 comentários:

  1. Que livro lindo! De conteúdo e de capacidade estética! Achei interessante esse trama de um sociopata... Tem tudo para deixar o leitor colado nas páginas! Tomara que venda muito! E o Cinema vai agradecer!

    ResponderExcluir
  2. Ele é muito polêmico e às vezes nos chocam também em determinadas páginas, mas o enredo é fantástico e recomendo a todos.

    ResponderExcluir
  3. Vou ver se arranjo fiquei interessado
    Sou fã de policiais principalmente dos de Jô Nesbo
    O detetive Harry Hole facina-me estou agora a ler o Polícia já li os outros todos para traz abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você curte esse estilo, então esse livro é um prato cheio, você irá gostar, com certeza.

      Excluir
  4. Que história horrível e ao mesmo tempo curiosa. O livro parece ser bem interessante, principalmente pela narrativa vinda de um personagem que viveu os fatos. Massa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é bem polêmico mesmo, tem um enredo bem forte.

      Excluir
  5. Nossa que leitura interessante deve ser esse livro eu já ouvi falar bastante nesse livro, mas ainda não li esse livro.
    Deve ser bem assustador mesmo, adoro leituras do tipo.

    ResponderExcluir
  6. Olá!

    QUe história, viu. Realmente é bem original e de certa forma assustadora. É também bem pesada. Fiquei curioso para ler, acho que é um tipo de enredo incomum. Gosto disso.

    Abraço,
    Diego, Blog Vida & Letras
    www.vidaeletras.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é bem polêmico sim, nos surpreende a cada página lida.

      Excluir
  7. Nossa...agora também fiquei curiosa se são fatos reais ou se foi tudo inventado pela autora. Eu espero que ela tenha inventado tudo e que ninguém tenha passado por isso de verdade.
    Agora que história!!!! Com certeza deve mexer com o psicológico e o coração de quem lê. Me deu uma curiosidade imensa, mas ao mesmo tempo, fiquei com medo de acabar mexida demais rs
    Parabéns pela resenha.

    Grande beijo,
    Além de 50 Tons
    https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confesso que ia dormir pensando na trama e houve uma noite que levantei para ler mais m pouco. Essa obra te prende no enredo intensamente.

      Excluir
  8. Olá
    Gente, já me interessei logo nas primeiras palavras, sempre fui fascinada por relatos a respeito de serial killer, em tentar entender seus cérebros e coisa e tal, e sempre acho eles os melhores vilões, com certeza vou procurar o livro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você irá adorar esse livro, tenho certeza. Recomendo.

      Excluir
  9. Gostei da premissa. Já salvei o nome do livro para comprar. Ótima resenha e obrigada por compartilhar.

    ResponderExcluir
  10. Parece ser uma leitura bem pesada mesmo! Amei a capa, mas a leitura parece ser bem perturbadora... Eu até leria, mas me sentiria muito triste, certamente. Uma história tão bizarra como esta promete ser, mexe com o estado emocional e psicológico das pessoas.

    Beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele mexe sim, é muito perturbador, mas recomendarei sempre essa leitura, a narrativa é excelente!!!

      Excluir
  11. Nossa, pela sua resenha, me pareceu um livro bem interessante (e pesado). O título me lembrou o famoso conto "O Jardim dos Caminhos que se Bifurcam" (que de certa forma é um conto também policial), mas lendo a resenha, fiquei imaginando se não seria uma versão bem macabra desse jardim-labirindo de Bordes!
    teofilotostes.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não conheço esse livro e você me deixou curioso agora também por esse título. rsrsss

      Excluir