Resenha do livro Frankenstein




 

Título Original: Frankenstein, or, the modern Prometheus
Autora: Mary Shelley
Ano: 2017
Editora: Darkside
Páginas: 304
Onde comprar: AmazonDarkside

 

Nunca consegui entender porque Frankenstein é considerado uma história de terror. Talvez pela sua caricatura monstruosa que o amaldiçoa, pois esse tem um coração repleto de bondade e deseja ser correspondido com o mesmo sentimento. Nessa obra, Mary Shelley nos leva a contemplar as loucuras de Victor Frankenstein e ao sofrimento do seu experimento bem sucedido, mas amargurado com a solidão.

          Essa deveria ser uma obra obrigatória para todos, pois desde a época em que essa história se passou está presente a maldade humana e o preconceito e rotulações que atravessam o tempo até o presente momento, na sociedade contemporânea.
 



          Antes de iniciar a história propriamente dita, o livro traz um capítulo sobre o surgimento da obra, repleta de curiosidades e fatos que não sabia, entre elas a comparação de Frankenstein com Drácula. Achei sensacional. Foi um capítulo muito bem escrito por Marcia Xavier de Brito, também responsável pela tradução do livro.


“Sua pele amarelada mal cobria o contorno dos músculos e das artérias que apareciam por baixo”.


       Narrada em primeira pessoa pelo próprio Victor Frankenstein, a obra possui um enredo polêmico, atraente e surpreendente, em que os sentimentos da criatura na história leva o leitor a catarse, pois fica explícito seu sofrimento e carência e a forma cruel como ele é hostilizado pela sociedade, mesmo sendo prestativo com ela, fazendo algum favor.
 
 
 
 
 

          A criatura ama seu criador, mas os sentimentos de Victor por ele é antagônico, de uma ira sem fim, de arrependimento e de vingança por duas mortes de pessoas que ele amava e que ele culpa sua criação de ter sido o ator de tal consumação.


“O monstro trazia no rosto um sorriso de esgar; parecia escarnecer enquanto apontava, com o dedo demoníaco, para o cadáver de minha mulher”.


         E ao passar do tempo a não aceitação de Frankenstein pela sociedade por motivo da sua aparência, o deixa transtornado e faz nascer uma ira contra a humanidade, desconectando toda aquela bondade que esse ser possuía com as pessoas. Nota-se nesse momento como a sociedade pode influenciar nos psicológico das pessoas. A não aceitação pela aparência também ocorre, ao contrário do narcisismo.
 
 
 
 

          Ao término da obra, a mesma traz cinco contos sobre a imortalidade que são extraordinários e valem muito a pena ler, portanto se ainda não conhece a real história de Frankenstein, não deixe de ler essa obra, pois por trás dessa enorme criatura, vive um ser solitário e repleto de bondade que deseja apenas ter amigos e uma companheira para poder amar. 


@Gustavo Barberá – 25/07/2019.

Menu

13 comentários:

  1. Olá! Nunca li Frankenstein, e embora já tenha visto inúmeras adaptações no cinema, acredito que a leitura é muito mais ampla e interessante. A concepção do 'monstro' por assim dizer, cai como uma luva em várias da sociedade existente hoje, um mérito total e somente da autora, de criar algo tão atemporal e que se encaixa tão bem. Tenho esse livro na lista de grandes obras a serem lidas. Obrigada pela resenha!


    Bjoxx ~ Aline ~ www.stalker-literaria.com ♥

    ResponderExcluir
  2. Foi, durante muito tempo o meu personagem favorito. Adorava toda a construção e desconstrução da personagem. Foi uma leitura que mexeu comigo. Aliás, preciso reler esse livro, Já faz algum tempo que o li, mas ainda não fiz uma leitura em português.

    Mas, eu achei curioso a sua análise da história-personagem, acho maravilhoso como um mesmo livro provoca diferentes possibilidades.

    Eu sempre me incomodei com a situação do "monstro" que percebe que não passa de um capricho de seu criador. Um erro que ele abandona e tenta fingir que não aconteceu. Não enxerguei ali um monstro... apenas uma criatura solitária, um ser que devido a diferença de sua aparência, não é aceito.

    Quantos indivíduos não enfrentaram esse cenário na realidade e sucumbiram? Quantos monstros nós não inventamos com nossas ações e abandonamos pelo caminho para não ter que encarar os nossos atos?

    Nossa, vou atrás do livro, preciso re-ler...
    bacio

    ResponderExcluir
  3. Olá, Gustavo.

    Esse é um livro em que podemos até sentir compaixão pelo "monstro", já que ficamos a par de seus sentimentos e sabemos o. quanto ele foi uma pessoa rejeitada por não ter o estereótipo da sociedade.
    Essa edição é muito linda e eu tenho uma enorme curiosidade para realizar a leitura do livro!

    ResponderExcluir
  4. Eu sempre tive uma certa curiosidade para ler esse livro. Não sei se tem algo a ver com o mesmo assunto que trata na Netflix (que não posso ser por ser em inglês kkkkkk...). Deve ser legal conhecer a história do ponto de vista do personagem que tanto ouvimos e vemos por aí. Gostei muito da resenha.

    ResponderExcluir
  5. Adoro estes livros clássicos que mantém uma atualidade, que nos provocam a pensar e analisar o que temos a volta. Adorei a edição das fotos.

    ResponderExcluir
  6. Geeeente, adorei essas fotos. Frankenstein é um livro sensacional. Eu gosto muito, mas muito mesmo. Aliás, eu adoro os três livros da trindade do terror. E também li, e resenhei, uma releitura na voz da Elizabeth Frankenstein que também foi show de bola.
    Adorei lembrar um pouco dele com sua resenha.

    Abraços
    Carol, do Coisas de Mineira

    ResponderExcluir
  7. Tem uma blogueira que eu acompanho que ela fala muito desse livro! Eu ainda não li ele, mas achei a versão muito bonita. Eu só li uma edição que era da Elizabeth, achei bem legal também! Amei suas fotos e sua resenha!

    ResponderExcluir
  8. Minha filha deu um livro para meu marido com esse mesmo título. Ele já leu e eu sempre acabo deixando pra lá. Não é o mesmo autor que eque esse, porém fiquei curiosa pra ler e verificar se tem o mesmo enredo. O autor é Dean Koontz, já leu? Frankstein, Vida e Morte.

    ResponderExcluir
  9. Oiii tudo bem??

    Tenho esse livro na estante e está na lista dos que quero ler. A história do Frankenstein é bem conhecida, mas não sabia que carregava essa carga emocional. Estou ate com vontade de iniciar logo essa leitura.
    Adorei a resenha
    Bjus Rafa

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Eu li esse livro há muito tempo e é um dos meus clássicos favoritos! Lembro de só ter entendido bem a crítica que ele carrega na segunda vez que o li. Muito bom!
    Bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  11. Já li há muito tempo esse livro e assisti a diversos filmes. Uma história triste, que acabou se tornando uma dos lendários do terror.

    ResponderExcluir
  12. Oi oi,
    Adorei a resenha e espero gostar tanto quanto gostei de ler sobre a Elizabeth Frankenstein. Bom, a sua resenha ficou maravilhosa com as citações ressaltando o melhor do protagonista e o cenário da história. Espero gostar da obra tanto quanto você gostou.

    Beijoss, Enjoy Books

    ResponderExcluir
  13. Oi Gustavo, como está?
    De fato, esse livro é um grande clássico! MARAVILHOSO!
    Aquela leitura que dificilmente não te marca e muito menos se esquece, porque muito do abordado nesse livro ainda hoje se aplica, mesmo que seja extremamente questionável, no caso, o preconceito em razão da aparência e a capacidade de se ignorar um erro por mais grave que ele tenha sido.
    Abraços e beijos, Lady Trotsky...
    http://osvampirosportenhos.blogspot.com

    ResponderExcluir