Leituras o mês de Janeiro







        Até que li bem nesse mês. Aquela ressaca literária que começou a brigar comigo no final do ano passado foi derrotada e consegui voltar a minha rotina de leitura tranquilo. Confesso que teria conseguido ler mais uma obra se não tivesse enrolado um pouco com "Vox" e "Os cinco do ciclo", pois a preguiça bateu em certos momentos, mas estou satisfeito com o que consegui. Foram três livros digitais e três físicos. Deixo claro que a ordem das leituras estão no texto, não na imagem. Vamos conhecê-los:





Livro: "Querida Ana", de Matheus Maia.

Sinopse: Ela mexe com o meu psicológico. Ela me faz ficar horas sem comer e fazer exercícios de uma forma absurda. Sempre que como, ela briga comigo. Ela não existe concretamente, claro. Mas existe em minha cabeça. Ela me faz sentir nojo de comida, ao mesmo que tempo que luto contra a fome. Me faz enxergar gordura onde não há. Mas não tem como fugir. Ela já é parte de mim... Apresento a vocês, minha Querida Ana. 

Essa história é baseada na vida do autor, um jovem de dezessete anos. É difícil ler o livro e não se identificar ou não se afeiçoar com os pensamentos dele. É ainda mais complicado imaginar o que ele teve de passar. Matheus era apenas um garoto de onze anos que sofreu na pele o julgamento de pessoas que, às vezes, nem o conhecia. Ele foi apresentado a anorexia, ou para os mais íntimos, a Ana, e com o tempo a bulimia (Mia) que o acompanhava em todos os lugares. Muitas internações ocorreram, inúmeras recaídas, e precisou da ajuda de seus familiares e amigos de verdade.

Avaliação: 5 estrelas.







Livro: "A sombra de Zya", de Henrique Frantz.

Sinopse: Séculos atrás, um rei foi amaldiçoado e trancafiado em um mausoléu para morrer. No entanto, ao invés de sucumbir, ele absorveu toda a escuridão e se transformou em uma sombra.
Desde então, esta alma tem vagado pelo reino de Oneratus, atraindo seguidores de todos os cantos e de todas as regiões. 

Nemoren era o símbolo deles, mas não é mais o de Liell, que deixou de acreditar em lendas e em histórias de dormir ainda quando vivia em um educandário, na época em que Zya morrera. Ele jamais se esqueceu do dia em que o amigo soltara a sua mão e caíra na mais absoluta escuridão.
Como precisava se conformar com a vida entre o proletário e seguir as regras que o palácio impôs, ele deixou de ser a criança sonhadora que um dia foi.

       Entretanto, quando Roben, a única amiga que lhe restara, torna-se membro do culto de Nemoren, Liell decide ir atrás dela e, aos poucos, vai percebendo que o propósito dos seguidores não é tão bom quanto dizem. Nem perto disso. E, mais ainda, o rapaz começa a sentir que o seu passado pode ser a chave para clarear a névoa que vive entre as sombras e, quem sabe, ser capaz de trazer a alma de volta. Eles não foram escolhidos por acaso.

Avaliação: 4 estrelas.







  Livro: "Vox", de Christina Dalcher.


Sinopse: O governo decreta que as mulheres só podem falar 100 palavras por dia. A Dra. Jean McClellan está em negação. Ela não acredita que isso esteja acontecendo de verdade.

Esse é só o começo...

Em pouco tempo, as mulheres também são impedidas de trabalhar e os professores não ensinam mais as meninas a ler e escrever. Antes, cada pessoa falava em média 16 mil palavras por dia, mas agora as mulheres só têm 100 palavras para se fazer ouvir.

...mas não é o fim.

Lutando por si mesma, sua filha e todas as mulheres silenciadas, Jean vai reivindicar sua voz.
 
Avaliação: 3 estrelas.







Livro: "O cinco do ciclo", de Elias Flamel.

Sinopse: Yosef de Keltoi. Presenteado na infância, por uma de suas mães, com um tesouro de muitas páginas. Cresceu com pouco, encontrou o seu amor e ao lado dela teve que instigar uma revolução entre trabalhadores do campo. Sua vitória não foi perfeita, pois falhou contra os deuses que tanto venerava. Assim, o líder de uma vila pequena, e quase oculta entre os quatro cantos do mundo, vive o começo da sua velhice.

        Não reclama de ter vivido muitos ciclos e é servo de um império que pintou de rubro nações que ousaram ser grandes. Sempre preocupado com o seu povo e com a sua família. Qual vem primeiro? É uma pergunta que necessita de tempo e páginas para ser respondida. Hitalo, o mais velho dos seus filhos, exige mais firmeza com os homens do campo. No auge da juventude, o divertido e criativo Yohan deseja provar para o seu pai que é um homem feito. Morgiana, companheira de luta, enxerga muito além do que os olhos podem ver e deseja alertar o seu amado Yosef a respeito de algo muito difícil de fugir.

        Yosef parte para Numitor, sua viagem tem como destino a capital de todo o império, lar dos homens de togas brancas que praticam um culto conhecido pelas eras. E esses mesmos homens possuem legiões em seu poder. Era para ser somente mais uma viagem dos tributos, mas o homem comum ouve boatos que colocam em risco o seu lar, a sua cultura e as suas crenças. Uma ajuda é mais que necessária, mas aqueles que são os mais poderosos e dotados de uma sabedoria milenar começam a pedir socorro. Só Yosef, o líder, pode salvar o que tanto ama.

        Ao tentar, é exposto o seu passado manchado, ele reencontra velhas amizades e conhece desejos guardados dentro do peito de um dos seus filhos. Sua vontade de ter o que tanto deseja fará Yosef se embrenhar pelas ruas do império. Será preciso conviver com ladrões, fardados de rubro, uma sociedade que ama a prata e o ouro e terá de lutar até mesmo contra a fúria da natureza.  

 Avaliação: 4 estrelas.







Livro: "O preço de uma vida", de Cristiane Krumenauer.

Sinopse: Naiona, uma empobrecida analista de inteligência, tem a chance de pôr sua vida em ordem com a recontratação pela empreiteira J. G. Tavares. Mas, para isso, terá que aceitar a missão mais desconcertante de sua carreira: investigar o assassinato do único herdeiro do empresário, Danúbio Tavares.

Enquanto a investigação se aprofunda, Naiona mergulha em detalhes mórbidos da família da vítima, incluindo a venda de uma garotinha na década de 1980, resultando na fortuna que patrocinaria a fundação da construtora. Terá essa Garotinha-Sem-Nome as respostas quanto ao assassinato de Danúbio? Talvez ela e seus problemas estejam mais perto do que todos imaginavam.

Avaliação: 4 estrelas.






 

Livro: "Para depois que eu partir", de Heather McManamy e William Croyle.

Sinopse: A emocionante história real de uma mãe com câncer terminal e as mensagens que deixou para a filha que não verá crescer… Com trinta e cinco anos, após ser diagnosticada com câncer de mama em estágio terminal, Heather McManamy sentiu como se sua vida estivesse desmoronando. Sua rotina virou de cabeça para baixo e foi substituída por várias cirurgias e dezenas de sessões de quimioterapia que poderiam estender um pouco mais sua vida, mas não impedir a morte iminente.

Com espírito vivaz e uma nova perspectiva, Heather começou a experimentar cada dia como se fosse o último. Ela aprendeu a aproveitar cada momento, apreciar a beleza ao seu redor e agradecer por suas bênçãos. Ponderou também a respeito da jornada futura de sua filha sem a mãe e, com dignidade, fez os preparativos para isso. Heather começou a escrever mensagens comemorativas para a filha, Brianna, com quatro anos na época.

         Mensagens para o seu primeiro dia de escola, para o seu aniversário de dezesseis anos, para o dia de seu casamento. Mensagens para quando as coisas estivessem indo bem e para quando não estivessem. Mensagens para quando Brianna precisasse de sua mãe – fosse dali a cinco ou a cinquenta anos – e Heather já não estivesse mais lá para lhe dar apoio. Para depois que eu partir é a história do poderoso amor de uma mãe por sua filhinha. E as incomparáveis experiências de Heather, permeadas de humor e elegância, são um lembrete para que não tomemos como certo e seguro um dia sequer.
 
Avaliação: 5 estrelas.



Menu

3 comentários:

  1. Sem dúvida uma seleção e tanto, com leituras muito proveitosas! Fiquei particularmente interessada em Para Depois que eu Partir (que premissa tocante!) e O Preço de Uma Vida (deve ser um livro intenso e até desconcertante).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai Patricia, "Para depois que eu partir" é um livro tão triste, mas ao mesmo tempo um projeto magnífico que essa mãe que teve a ideia de deixar registros para a filha. Tem passagens que tive de segurar as lágrimas. Recomendo a leitura.

      Excluir
  2. Queia Ana e Vox são dois livros que quero ler um dia, mas confesso que Vox está na frente. Na verdade, quero muito lê-lo justamente por conta do tema tão atual, e que me recorda uma das minhas séries favoritas: The Handmaid's Tale!
    Seu mês de leituras foi ótimo. Boa sorte com fevereiro, porque eu com certeza vou precisar haha!

    ResponderExcluir