Resenha do livro "O diário de Myriam"





Título original: Le jornal de Myriam
Autores: Myriam Rawick e Philippe Lobjois
Ano: 2018
Editora: Darkside
Páginas: 288

Quem iria imaginar que um diário de uma menininha de apenas seis anos relatando os horrores da guerra na Síria um dia se transformaria em uma obra de sucesso lida em vários países. Foi o que aconteceu com Myriam Rawick, onde por seis anos descreveu as alegrias e tristezas, as raivas e aflições em um diário que a deixaria no hall da fama anos depois. Vencedor do Prêmio L’Express-BFMTV 2017 na categoria Ensaios, em votação feita pelos leitores, é aquele livro que fica mais próximo do coração de cada um, pois foi escrito de forma simples e verdadeira.
        Escrito entre novembro de 2011 a março de 2017, o diário alterna entre as doces memórias do passado na cidade de Alepo e os dias doloridos e carregados de incertezas. E é com a sensibilidade de uma autêntica contadora de histórias que ela narra a preocupação crescente de seus pais com as notícias na televisão, as pinturas revolucionárias nos muros da escola, as manifestações contra o governo, a repressão, o sequestro de seu primo e, por fim, os bombardeios que destroem tudo aquilo que ela conhecia.



 

        É um livro que me emocionou muito, pois nos relatos feitos nota-se a inocência, a pureza, a simplicidade e principalmente a sinceridade de uma criança, não escondendo nada de seu pensamento, ela coloca as palavras de uma forma que se vê o que ela realmente sentiu e o que ficará em sua memória para sempre.



"Antes, achava que os aviões só serviam para viagens, para ir para longe, para levar as pessoas em visitas a países do mundo inteiro. Nunca tinha pensado que aquilo podia transportar bombas".



       Narrado em primeira pessoa, o enredo é simples e tranquilo de se acompanhar. Gostei das notas de rodapé que o livro apresenta, nos trazendo informações sobre os costumes das pessoas daquele país, assim como suas regiões. É um livro gostoso de se ler, muito rápido, pois seus capítulos são bem curtos por se tratar de um diário, mas alguns deles são relatados por poucas palavras, mas impactante.




 


 
       A solidariedade entre as famílias foi outro ponto forte no livro, pois com a invasão dos inimigos, impedindo a entrada de mantimentos em Alepo – cidade de Myriam – os vizinhos e amigos dividiam tudo o que tinham: gás de cozinha, água, alimento e roupas para que todos não passem dificuldades. É algo que me fez refletir se precisamos passar por essas desgraças para sermos solidários e porque não diariamente, mesmo em bonança.


"...principalmente sei o que é a morte. A perda de pessoas que se ama e o medo de morrer".


        Fiquei imaginando também o trauma que ficou com essas crianças com bombas, mísseis e tiros a todo o momento, quando menos se espera, a correria, as fugas realizadas, que interromperam a infância delas e que jamais irão esquecer.




       



 
       Eu recomendo essa obra para quem ainda não teve a oportunidade de ler. É tranquila, para toda a família, inclusive para crianças, pois mesmo sendo um livro que se passa na guerra, não há nenhum momento de violência, nem palavras impróprias. É bem acessível para todos. A tradução foi de Maria Clara Carneiro.


@Gustavo Barberá – 06/10/2018.

24 comentários:

  1. O tema é sem dúvida muito interessante e o enredo cativa. A ler!

    ResponderExcluir
  2. Oi Gustavo, tudo bem?

    Desde que foi lançado, estou muito curiosa para ler este livro, principalmente por causa de meu livro favorito ter sido originado de um diário escrito em tempo de guerra (O diário de Anne Frank). Por tudo que você narrou, tenho certeza que irei me emocionar bastante com o conteúdo e ter uma experiência fantástica. Adorei a resenha!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Fiquei bem interessada nessa leitura, gosto de livros em forma de diário, tenho certeza que é bem emocionante.

    ResponderExcluir
  4. Fiquei interessada na história. Essa leitura parece ser pesada e com um enredo bem denso e intenso. Anotada a dica.

    Grande beijo,
    Letícia Franca | Além de 50 Tons
    https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  5. O enredo me lembrou bastante O Diário de Anne Frank, mas esse tem um final trágico e uma narrativa mais dramática, o que o diferencia de O Diário de Myriam, que parece ser bem mais tranquilo, apesar de tb se passar em meio à uma guerra.

    ResponderExcluir
  6. Eu me envolvi lendo o seu post, queria até que a resenha fosse mais longa.... fiquei curiosa, eu não leio livros mas queria ler esse..

    ResponderExcluir
  7. Esse livro já está na minha lista de desejos a muito tempo, parece ser um relato bem poderoso, mal posso esperar para ler

    ResponderExcluir
  8. Olá
    Esse livro parece muito bonito, ando namorando ele pois narratvas de guerra contada na visão de crianças sempre me cativa e emociona, e pelo que você contou na resenha é isso mesmo que vou encontrar por aqui.

    ResponderExcluir
  9. Triste imaginar que essa foi e é a realidade de muitas crianças ainda hoje. Este parece ser um livro muito denso, não sei se tenho estrutura emocional para le-lo.

    ResponderExcluir
  10. Muito interessante que o diário de uma menina de apenas 6 anos se transformaria em uma obra, o livro é bastante emocionante, é um relato que mexe com a gente, pois quando se trata de guerra sabemos que há muito sofrimento, ainda não tive a oportunidade de ler mais gostei muito dele, abraços.

    ResponderExcluir
  11. Com certeza é um livro fantástico que tem muito a nos oferecer no conhecimento sobre a história da humanidade. Muitos de nós nos horrorizamos, indagamo-nos sobre os comos que permitiram tais barbáries acontecerem, a cada dia, bem perto de mim, vejo como foi possível. Todos deveriam ler, quem sabe a delicadeza infantil tocasse os corações.
    Ótima sugestão!
    Abraços! 😊

    ResponderExcluir
  12. James knows11/10/2018 08:16

    Eu já tenho esse livro mais ainda está na fila para ser lido. Desde o começo, o que é chamou a atenção, foi o fato de ser um diário, que no caso, sempre me instigou bastante com a leitura.

    ResponderExcluir
  13. É o estilo de livro que amo ler, principalmente pela carga emocional que deve ser muito intenso, essa não é a primeira resenha positiva que eu leio.

    ResponderExcluir
  14. Gosto de livros com capítulos curtos, acho que flui mais a leitura. Fiquei curioso para conhecer essa história.

    ResponderExcluir
  15. Esse livro tem uma temática muito forte, daquele tipo de livro que meche com o emocional, fiquei verdadeiramente curiosa com essa recomendação, muito obrigada!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Muitos vezes precisamos conhecer relatos de realidades diferentes para cultivar nossa empatia. Amei a dica de leitura.

    ResponderExcluir
  17. Uauuuuu fiquei muiiiito interessada em ler o diário da menina Myriam. Imagino as emoções de quem foi testemunha ocular de tudo e viveu tudo na pele.Um livro que com certeza quero ler. Obrigada pela partilha.

    ResponderExcluir
  18. Eu só fiquei pensando numa criança vendo essa guerra.. que triste! Me cativou, vai entrar na lista de livros que ainda vou ler! Parabéns por apresentar esse livro!!!!

    ResponderExcluir
  19. Estou quase terminando essa leitura e acheinterpretação, no mínimo, bem impactante. Gostei da resenha e as fotos estão lindas .

    ResponderExcluir
  20. Olá, Gustavo!
    Que resenha foi essa hein? Já estou procurando esse livro porque eu estou super curiosa para saber o desenrolar dessa história. Amei a dica.

    Beijão!
    Lumusiando

    ResponderExcluir
  21. Como não se envolver com uma leitura dessa? Sou mãe e tenho uma filha nessa idade e só de imaginar meus olhos enchem de lágrimas.
    Obrigada pela dica e com certeza esse livro irá para minha coleção e compartilharei com minha pequena.

    ResponderExcluir
  22. Super interessante, já está aqui na minha wishlist! Obrigada por nos passar essa dica!

    ResponderExcluir
  23. Que demais! Eu pensava que fosse um livro bem pesado, já que se passa na guerra. adorei a resenha!

    ResponderExcluir
  24. A tristeza com que a história é relatada comove ... A guerra da Síria deixou mais de 400.000 mortos e transformou 5 milhões de refugiados nos últimos sete anos. Myriam começou a registrar sua vida cotidiana por sugestão de sua mãe, que propôs que ela dissesse a todos os que viveram para um dia poderem lembrar de tudo que aconteceu,lindo demais!

    ResponderExcluir