Resenha do livro "As últimas testemunhas"




Título Original: Последние свидетели
Autor: Svetlana Aleksiévitch
Ano: 2018
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 320
 
Talvez essa seja a pior e mais agonizante resenha que escreverei em toda minha vida. Atordoante, dolorido, triste e revoltante. Essas são as palavras que uso para caracterizar o livro “As últimas testemunhas”, mas que não faz dele uma péssima leitura ao contrário, o livro teve um merecido prêmio Nobel recebido em 2015, pois retratou a realidade, crua e nua dos sobreviventes da Segunda Guerra Mundial, mas o que me matou foram que na obra os protagonistas foram crianças e isso me mata profundamente!!!

    O livro sobre a jornalista bielorussa Svetlana Aleksiévitch, que conversou com vários sobreviventes que eram crianças durante a Segunda Guerra Mundial e presenciaram horrores que nenhum ser humano jamais deveria experimentar. Os relatos francos desses indivíduos, adultos à época das entrevistas, mas nunca antes ouvidos, são a matéria dolorosa e potente deste livro colossal.

 
 

      Eu fiz tantas anotações e dessas escrevi tantos quotes, que necessitaria uma resenha só destes e ainda ficaria bem extensa, para mostrar o sofrimento, o medo e agonia dessas crianças que estavam no auge de sua infância quando receberam a notícia que a guerra tinha começado. A maioria não sabia o que era aquilo, algumas chegaram a perder a vida brincando com granadas e munições pensando que eram brinquedos e todas sofreram com o maior mal de todos os tempos: a fome.


“Não só os orfanatos passavam fome, as pessoas ao nosso redor também, porque entregavam tudo para o front. De crianças pequenas éramos umas quarentas, nos instalaram separadamente. À noite - aos berros, chamávamos por mamãe e papai”.


      Várias passagens me deixaram atordoado nesse livro, falando francamente, o livro todo me deixou em estado de choque, queria termina-lo logo e a cada pausa feita, ia até o site do skoob para desabafar, não aguentava deixar tudo o que presenciei nesse livro dentro de mim, então relatava no histórico de leitura.
 

 

     Um dos momentos chocantes eram quando as crianças eram separados de seus pais, principalmente das mães, seres que Deus deveria tê-las feitas com vida eterna. A crueldade dos alemães mata-las na frente de seus filhos e ainda obriga-las a ver, sem poder fechar os olhos ou virar o rosto durante a execução e depois ter que fazer o enterro delas foi algo monstruoso e imperdoável. E o contrário também aconteceu. Muitos pais enterraram seus filhos. Dessa parte a passagem que me marcou foi o soldado alemão que atirou na mamadeira do recém nascido, depois no próprio e em seguida na sua mãe. Isso acabou comigo. 


“Ela tinha achado uma granada de mão. E começou a embalar, feito uma boneca. Enrolou nuns trapos e embalava. Uma granada é pequena como um brinquedo, só que pesada. A mãe não conseguiu correr a tempo...”.


        O pior capítulo foi da pequena Ánia Guriévitch de apenas dois anos que viveu em um orfanato e com essa idade, já tinha responsabilidades domésticas como arrumar todos os dias a sua cama e colocar o travesseiro na posição correta ou sofreria as consequências. Houve relatos de que as crianças estavam tão acostumadas com esse sofrimento e humilhação que ao passarem por alguma punição, nem chorar mais choravam, isso era como se fosse parte do seu cotidiano.

 


        Foram crianças sem brincar, estudavam nos escombros e com pedaços de panfletos e papéis de parede para escrever, mas algumas passando por tudo isso ainda tinham um sonho para querer realizar. Esse livro nos ensina e nos levam a refletir sobre o que a vida nos oferece. Temos que dar valor no que temos, nunca reclamar se não temos aquela roupa demarca ou se não fomos a tal local comer aquele lanche do momento, pois precisamos olhar para trás e ver que para essas crianças a refeição deles eram uma panela com água quente. E eles não reclamavam. E mesmo se passando por toda essa dificuldade, os pais sempre pregavam a honestidade e os valores a ser seguido pelo ser humano aos filhos, pra serem humanos dignos e não corruptos.


“O dono da casa nos levou por uma grande estrada, mamãe tentou dar dinheiro para ele, mas ele balançou a cabeça e disse que por uma amizade em um momento difícil, não se paga. Isso me ficou na memória.”


        O livro foi difícil de ser escrito até mesmo pela autora que colocou no lugar do epílogo, o título: “Tentativa de epílogo” e lá escreveu uma reflexão sobre a falta da infância nessas crianças. E parece que estou sentindo o que ela passou, pois escrever essa resenha está sendo um grande desafio e quanto mais eu escrevo, mais quero falar e se continuar ficará muito grande. Não sei se agradará a você leitor, mas não irei relatar mais nada, eu recomendo a obra, mas já aviso que ela irá abalar seu estado emocional com os mais puros e sofridos relatos dessas crianças que merecem o céu. Essa capa foi feita especialmente para os membros de um clube de leitura por assinatura. A tradução foi de Cecília Rosas.

@Gustavo Barberá - 29/08/2018

34 comentários:

  1. Oi.

    Que livro incrível! Eu ainda não conhecia esse livro, e mesmo não sendo o meu tipo de livro, eu quero muito poder ler agora. Só pela sua resenha, eu sei que não pararia de chorar durante a leitura desse livro. Imagino essa autora escrevendo esse livro, não deve ter sido fácil. Já sabemos o quanto foi horrível, mas acho que nunca paramos para pensar nas crianças. Imagino essa menina de 2 anos tendo que ter essas responsabilidades para não ter que ser castigada. É horrível pensar no quanto eles sofreram, e com tão pouca idade.

    ResponderExcluir
  2. Oi Gustavo!

    Tudo bem? Então, esse livro parece ser muito maravilhoso e uma leitura bastante complexa de se fazer por ser bastante emocional e isso realmente me cativou. Já coloquei na minha wishlist.

    O fato de algumas crianças, mesmo passando por coisas tão terríveis assim, ainda manterem seus sonhos me deixa com o coração partido e feliz ao mesmo tempo, porque quando não se tem nada e ainda perde-se a esperança tudo pode ficar ainda pior.

    Beijinhos - Jessie
    www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir
  3. Olá Gustavo, tudo bem?
    Esse livro parece ser um daquele que emociona como O Menino do Pijama Listrado, o que muda é que a história fica mais forte por serem relatos reais. De fato A Segunda Guerra Mundial foi um capitulo assustador da nossa história. Sua resenha me deu vontade de ler o livro, mas em um momento em que meu psicológico esteja preparado. Amei a dica.

    Beijão!
    Lumusiando

    ResponderExcluir
  4. Confesso que essa resenha me deixou super ansiosa para comprar esse livro e ter o prazer de embarcar nesse mundo genial da leitura.

    ResponderExcluir
  5. Sim, de fato, a Segunda Guerra Mundial foi marcada por assombrosas e desprezíveis ações que jamais serão esquecidas, não podem ser esquecidas, precisam estar estampadas para que o mundo veja a capacidade do mal que mora em tantos seres humanos. Fico imaginando como foi viver nessa época e agradeço a Deus por não ter experimentado nada semelhante. Vemos o quão repugnante a raça humana pode ser quando nem mesmo as crianças são perdoadas de sofrimentos atrozes.

    Vou sim ler a obra, conhecer mais e mais sobre o tema nos enriquece quanto homens e mulheres que tomarão injeção de ânimo para lutar contra novos possíveis líderes desprezíveis!

    ResponderExcluir
  6. Que tristeza! Eu gosto de ler livros com base na segunda guerra, mas esse realmente parece muito pesado. E pra falar a verdade, foi a realidade! Todos deveriam ler e perceber como os homens podem ser monstruosos quando querem! Eu não sei se qualquer inferno será suficiente para aqueles covardes! E ainda hoje, a humanidade me dá mais medo do que nunca!


    Bjoxx ~ www.stalker-literaria.com ♥

    ResponderExcluir
  7. Olá, Gustavo.

    Livros que abordam história sobre guerras sempre mexem comigo, acho tudo muito cruel o que aconteceu, nós vemos nas histórias fictícias como A Menina Que Roubava Livros, mas também temos O Diário de Anne Frank, que é um livro super triste.
    Esse deve ser mais emocionante e pesado ainda, por ser entrevistas com pessoas que lá estavam presentes e infelizmente tem que carregar a memória dos piores momentos da vida deles. Com certeza deve ser um ótimo livro, mas bem emocionante.

    ResponderExcluir
  8. Que bacana que o livro recebeu o prêmio Nobel em 2015, é muito bom quando um livro conta a realidade da segunda Guerra Mundial, pois assim ficamos sabendo um pouco do que acontecia, a história é daquelas que deixa a gente chocada pelo que você aqui na resenha, abraços.

    ResponderExcluir
  9. Tenho muita vontade de ler Svetlana, e isso livro é um dos que eu mais quero ler, porque o tema é pesado, e o fundo da guerra é sensacional, me faz querer ler cada vez mais!!! Amei amei amei!!!

    Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  10. Olá!Pelo que entendi é um livro com uma história marcante,muita crueldade,sofrimento,vivido por esta monstruosa guerra.
    Através destas obras que obtemos mais conhecimentos da triste realidade sobre estes fatos.
    Excelente indicação!Bjss

    ResponderExcluir
  11. Excelente recomendação . Achei o tema bastante interessante , faz-nos entrar em contacto com uma realidade crua , tirando-nos da nossa "bolha" . Gostei bastante

    ResponderExcluir
  12. Só de ler sua resenha e opinião sobre , já fiquei impressionada! Acho que a gente não tinha noção de tamanha crueldade não é mesmo? Um tema pesado, mas um fato histórico.

    ResponderExcluir
  13. Nossa! Esta resenha muito bem escrita por você, me deixou muito agoniada, mas são histórias que devem sempre ser contadas para que erros não se cometam, mesmo sabendo que a humanidade não aprende. Bjs

    ResponderExcluir
  14. Um livro intenso, com certeza. O tema Segunda Guerra é muito forte, envolvendo crianças fica mais forte ainda. Pela sua resenha já deu pra sentir que as páginas descrevem situações chocantes, infelizmente fatos reais que deixaram cicatrizes profundas na História mundial.

    ResponderExcluir
  15. Oiii,
    Uma ótima recomendação de livro, e com certeza um livro emocional, ainda mais que aborda tema como a segunda guerra e crianças.

    ResponderExcluir
  16. Oie tudo bem?
    Ainda não conhecia essa editora, mas achei esse livro muito interessante.

    Gosto de leitura que tenha imagens, me deixa mais maravilhada com ela.

    Vou ler assim que possível!

    Obrigada pela dica!

    ResponderExcluir
  17. Livros com essa temática são sempre muito bons, porém ao mesmo tempo, extremamente tristes e angustiantes de ler. Gosto de tudo que envolve a 2a guerra mundial, mas sei que nem de longe a gente consegue ter uma real noção do horror que foi tudo o que se sucedeu naquele período.
    Parabéns pelo post e pela resenha

    ResponderExcluir
  18. Mas que livro!! :o

    Sou apaixonada por tudo o que diz respeito à Segunda Guerra Mundial e às atrocidades cometidas pelos alemães!
    Tenho uma sede enorme de saber mais e mais...e...de alguma forma passar a quem me rodeia de como aquele período da História foi horrível. De como o ser humano consegue ser doentio e capaz de cometer os maiores horrores.

    Aconselho-te a ler HHHH: O cérebro de Himmler chama-se Heidrich. Uma obra também muito boa.

    Beijinhos,

    A Alfacinha
    www.aalfacinha.com

    ResponderExcluir
  19. Gustavo, parece que já sabemos de todas as atrocidades que aconteceram naquela época, mas sua resenha só nos mostra que podemos nos chocar ainda mais. Imagino que por mais rica seja a leitura em detalhes e pesquisas, o horror aos relatos seja mesmo de revirar o estômago. Fiquei chocado só com as coisas que relatou. Dica anotada.

    ResponderExcluir
  20. Olá
    Faz tempo que quero ler algum livro da autora, antes mesmo dela ter ganhado o Nobel. Deve ser realmente chocante ler esses relatos, já li muitos livros sobre a Guerra e nunca são fáceis.

    ResponderExcluir
  21. Olá, esses relatos também acabam comigo, eu acho muito surreal como o ser humano é capaz de cometer essas atrocidades, de verdade, toda a população que sofreu, que morreu... Ler esse tipo de coisa nos comove demais, e sinceramente falando, não sei se eu daria conta de uma leitura como essa, é extremamente densa. Parabéns pela resenha.

    ResponderExcluir
  22. Olá!
    Esse é o tipo de leitura que não conseguiria realizar, pelo tanto de realismo e ao mesmo tempo constatar o quanto o ser humano é cruel e capaz de coisas tão hediondas.
    Sua resenha já da uma prévia do que devemos esperar e está muito bem escrita.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  23. Nossa que livro... Dói a alma só de imaginar o desespero, o sufoco e a agonia que essas crianças viveram. Custa pensar que o ser humano consegue ser cruel a esse ponto... apesar de triste e revoltante é uma excelente resenha.

    ResponderExcluir
  24. Olá, tudo bem Gustavo!

    Eu já conhecia esse livro, li algumas análises/resenhas e tenho super interesse em realizar essa leitura tanto pelo realismo como para poder analisar ainda mais o ser humano.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  25. Oi
    mossa que livro é esse realmente muito chocante fico até pensando que quero ler sabe pois sou pessoa que chora atoa,e pelo que vi esse livro relata muita crueldade né.

    ResponderExcluir
  26. Esse livro me recorda muito o filme "O menino do pijama listrado" que também é sobre um relato da Segunda Guerra,os campos de refugiados e por mais emocionantes que sejam é muito importante que sejam relatados como você mesmo disse para darmos valor ao que temos não reclamarmos do que não temos pois existem pessoas que tiveram muito menos conviveram com o sofrimento. Filmes e livros que falam de sofrimento de crianças costumam ser muito chocantes. Fiquei super curiosa com o livro

    ResponderExcluir
  27. Oie!
    Nossa, que livro forte e impactante!
    POr isso que não gosto muito de ler livros sobre esse período da história. Eu acabo sofrendo sabendo dessa realidade que essas pessoas precisaram viver.
    mas o livro é bem interessante.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  28. udo bem Gustavo? Eu não conhecia esse livro em especial e gostei de ver suas impressões. Adorei a dica de leitura. Apesar de ter um tema denso e até pesado.. Eu acho muito útil esse tipo de leitura a nível de conhecimento e reflexões.

    Esse quote em especial me chamou muita atenção:

    “Ela tinha achado uma granada de mão. E começou a embalar, feito uma boneca. Enrolou nuns trapos e embalava. Uma granada é pequena como um brinquedo, só que pesada. A mãe não conseguiu correr a tempo...”.
    Beijos.

    Isso me faz pensar em todo o terror e inocência envolvidos no contexto.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  29. Livros deste periodo historico são sempre livros forte e de impacto sentimental muito grande. Gostei muito da forma que você abordou aqui.

    ResponderExcluir
  30. Olá
    Tudo sobre a Guerra me doí, me doí mesmo de modo que nem consigo explicar, na época do ensino médio minha professora de história trabalhou com a gente durante três anos tudo sobre a Segunda Guerra e isso ficou marcado em mim. Creio que essa leitura é daquelas que você sente a dor, que você sente vontade de fazer algo por aquelas pessoas por mais que o tempo já foi passado. Imagina crianças perdendo sua inocência para algo tão grande que nem elas tinham noção do que era. É um livro bom disso não tenho dúvida, mas não é algo que eu leria por que eu sei o quanto esse assunto me dói. Beijos

    ResponderExcluir
  31. Quando li que a autora era bielorrussa, fiquei com o pé atrás, pois não sou muito fã dos autores daquelas bandas. Ma sua resenha foi tão profunda, tão intrigante e verdadeira, que já add à lista de livros a ler. Obrigada por compartilhar.

    ResponderExcluir
  32. Meu Deus.
    Não consigo dizer mais nada além disso. É simplesmente doloroso demais. Acabei de colocar esse livro na minha lista, pois quero muito saber mais sobre essas histórias. Acredito que quando lemos sobre o assunto, a história e a luta delas permanece viva em nós. Ainda mais em um momento tão terrível que estamos vivendo agora. Obrigada, de verdade, pela sua resenha.

    ResponderExcluir
  33. Gente, que sofrimento!!! Fiquei bem curiosa com todos os quotes que você separou na leitura e acho interessante um post exclusivo para você compartilhar com a gente cada um deles. Amei a indicação.
    beijos

    ResponderExcluir
  34. Olá, tudo bom?

    Nem consigo imaginar as atrocidades que são descritas nessa obra. É verdade, as vezes reclamamos de tantas coisas bobas e no final devemos estar agradecidos por vivermos uma vida confortável. Nada do que passamos chega perto do que essas crianças sofreram, traumas que carregam para os restos de sua vida. Acho que, se eu der uma oportunidade para ler esse livro, terei que fazer isso com um coração e mente fortes, pois sei que vou chorar com cada um dos relatos.

    Enfim, adorei a sua resenha e agradeço a indicação :)
    Abraços.

    ResponderExcluir