Resenha do livro "Sobrevivendo entre lobos"





Título Original: Nack unter Wölfen
Autor: Bruno Apitz
Ano: 2017
Editora: Universo dos livros
Páginas: 448
Onde comprar: Amazon


Quando iniciei a leitura desse livro, jamais imaginava que seria uma obra que tinha sensibilizado quase o mundo inteiro. Sobrevivendo entre lobos é uma obra que foi lançada na Alemanha em 1958 e rapidamente teve seus estoques esgotados de exemplares impressos e a mesma foi alvo de muita polêmica naquela época. Posteriormente a história virou filme para a televisão, com direção de Philipp Kadelbach. Até hoje foram mais de dois milhões de exemplares vendidos.

           O livro traz a seguinte história: Em fins de março de 1945, a organização comunista secreta do campo de concentração de Buchenwald é abalada pela chegada de um garotinho de apenas três anos, trazido dentro da mala de um judeu polonês. Agora, Bochow, Krämer, Höfel, Pippig e seus camaradas do Comitê Internacional do Campo precisam enfrentar um dilema cruel - e também as consequências de suas escolhas.

 




           Confesso que fiquei com um pouco de medo de no decorrer da leitura o garotinho fosse sofrer, mas o que me deixou maravilhado foi a garra e a determinação desses homens de protegê-lo, chegando a suportar torturas e até dando a sua vida ao invés de entregá-lo desamparado para os Nazistas.


“Mas eis que de repente um menino havia chegado ao campo”!


           O livro precisa ser lido com muita atenção no começo, pois ele possui muitos personagens, mas no início da obra, tem uma página indicando quem é quem na narrativa, para não nos perdermos durante a leitura. Também apresenta plantas do campo de concentração de Buchenwald, onde se passa a história.

          Narrada em terceira pessoa, com personagens fortes, alguns caridosos, outros coléricos, imaginei que o garoto estivesse presente na trama o tempo todos, mas me enganei e me decepcionei também, pois o mesmo apareceu esporadicamente, deixando a história mais centrada na Segunda Guerra Mundial.
  



 
          Infelizmente há alguns pontos negativos que não posso deixar de comentar. Conforme a história vai chegando no final, a leitura parece que não sai do local, vai ficando cansativa, arrastada e sem novidades, mas o que me animou foi que nas dez últimas páginas, as coisas se esclarecem e todas as nossas dúvidas são esclarecidas e mostra o rumo que cada personagem tomou. Eu gostei muito do final, foi bem emocionante a felicidade de todos.


“- Camaradas! É um dia de vitória! Os fascistas bateram em retirada! Somos livres! Vocês estão me ouvindo? Nós estamos livres”!


          O livro possui uma capa belíssima, sua diagramação pelo menos para mim foi tranquila de se ler, não curti muito o miolo que é de papel reciclado, isso me incomoda muito e encontrei no decorrer da leitura, alguns erros de Português, mas nada que atrapalhasse a mesma.
 
 
 
 

          Algo que me deixou bem estarrecido no decorrer da leitura foi a forma de como os judeus eram torturados pelos guardas da SS, isso me deixou estarrecido, mas já esperava que isso poderia aparecer, pois o livro se passa na época de Hitler, então não precisa dizer mais nada. Confesso que em determinados momentos fiquei revoltado e irado, com vontade de me teletransportar pelas páginas e acabar com esses covardes. O mesmo me deixava com essa mesma cólera o ler a forma que eles tratavam os pobres mortos.


“Somente então, dois outros carregadores podiam pegar os corpos despojados, pelos braços ou pelas pernas, dependendo de como estivessem deitados, e arrastá-los para cima do monte. Em movimento treinado para dar impulso, eles jogavam o morto, que aterrissava ruidosamente sobre o monte de carne crua”.


          Se você gosta de histórias baseadas em fatos reais, como essa e ainda com muitos fatos históricos, “Sobrevivendo entre lobos” é o livro ideal para iniciar sua leitura, apesar dos defeitos relatados acima, eu recomendo a obra, pois ela ira emocionar muito e ao mesmo tempo te encantar com as atitudes humanas de certas pessoas. A tradução foi de Marly N. Peres.


@Gustavo Barberá – 01/03/2019.

 




11 comentários:

  1. Eu gosto muito de histórias baseadas em fatos reais e essas me deixam com o coração apertado. Mexe muito com a gente.
    Única pena é essa parte mais cansativa, mas pareceu que não interferiu em nada, principalmente do desfecho. Vou anotar, agora fiquei com vontade de conhecer essa obra.
    Ótima resenha!

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Oi! Tudo bom?

    Já tinha visto a capa desse livro por aí, mas nunca tinha parado para saber do que se tratava de fato. Eu sempre acho muito intensas as leituras que retratam a Segunda Guerra Mundial - são coisas que me embrulham o estômago, sabe? Mas mesmo assim, são leituras que eu considero como necessárias - para lembrar sempre de nunca mais deixarmos algo do tipo acontecer. Acho que não leria esse livro por agora porque terminei há pouquinho tempo O Menino do Pijama Listrado e preciso digerir... mas com certeza está na minha lista de leituras futuras! Obrigada pela indicação.

    Literalize

    ResponderExcluir
  3. Olá Gustavo,
    De facto no que diz respeito à capa concordo contigo! Demonstra alguma emoção dos factos! Para quem não está a habituado a fazer este tipo de leituras de história - nomeadamente eu - não capto muita atenção e mais difícil estar atenta a todos os pormenores porque depois vai entrando muitas personagens.
    Por acaso ainda não li este livro mas sempre é uma opção para a minha wishlist, obrigado!
    Abraço

    http://tudosoblinhas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Já gosto de histórias baseadas em fatos reais. Quando tem um enredo interessante como esse, desperta ainda mais a vontade de ler. Vou procurar e seguir sua sugestão de leitura.

    ResponderExcluir
  5. Magnífico
    Só de ler a resenha já fiquei intrigado rsrs parece que segura bem o leitor.
    Muito bom, parabéns

    ResponderExcluir
  6. A Segunda Guerra Mundial foi um período muito triste da História e livros que retratam essa época tendem a ser muito fortes. A história parece ser tão emocionante que os defeitos podem ser superados e a leitura vale muito a pena.

    ResponderExcluir
  7. Li esse livro no final do ano e achei impressionante como ele segura o leitor, eu não conseguia parar de ler. Adorei a resenha

    ResponderExcluir
  8. A história me parece ser tão triste :(

    Me lembrou o filme "O Túmulo dos Vagalumes" (só que esse se passa no Japão).

    Bem legal, vou adicionar à minha lista de desejos <3

    ______
    Sobre mim:
    Jovem estudante entusiasta de Psicologia que sofre com Transtorno Afetivo Bipolar (TAB). No meu blog você vai encontrar desde artigos técnicos informativos de Psicologia, Psicanálise e Saúde Mental, a também reflexões, desenhos e poemas de minha autoria.

    ______
    🌐 Relatos de um Garoto de Outro Planeta
    👍 Facebook: Relatos de um Garoto de Outro Planeta

    ResponderExcluir
  9. Fiquei altamente instigado pela leitura. É um estilo literário que normalmente me envolve. Excelente resenha.

    ResponderExcluir
  10. Oi Gustavo,

    Eu sou fascinada por obras que se passam nesse período e sempre que posso corro para ler essas obras. Então, é claro que já adorei a sua dica, pois esse livro tem tudo para me fisgar completamente. Uma pena que durante a leitura a narrativa vá ficando mais lenta, isso é algo que normalmente me atrapalha, mas mesmo assim darei uma chance. Dica anotada!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Parece ser um livro incrível, sua resenha me deixou bem curiosa epor ser um livro diferente do que estou lendo atualmente, já quero ler pra já.

    ResponderExcluir