Resenha do livro "Carrie - a estranha"








Título Original: Carrie
Autor: Stephen King
Ano: 2013
Editora: Suma de letras
Páginas: 199
Onde comprar: Amazon


Carrie a estranha é uma obra que espanta várias pessoas, pois ódio, sentimento e vingança estão presentes de uma forma em que o objeto não é só assustar, mas sim fazer com que se pense de forma crítica as babáries que a sociedade pode fazer com uma pessoa, sem se preocupar com as consequências que poderão vir. A narrativa fez tanto sucesso que acabou se transformando em adaptação nas telonas duas vezes, sendo a primeira com uma excelente interpretação de Sissy Spacek como Carrie.

          O livro conta a história de Carrie White, uma garota da pequena cidade de Chamberlaine, Maine, filha de uma mãe extremamente religiosa e vítima de bullying na escola por ser considerada esquisita. Só que ninguém esperava que Carrie tinha poderes telecinéticos que conheceram na noite do baile de formatura após aprontarem uma com ela. 


 

 
           Não foi uma das melhores obras de King que já li, até deixo o terror de lado e vejo nessa obra que o terror está nas pessoas, que são capazes de não medir suas maldades por vingança ou simplesmente para prejudicar um próximo que não seria capaz de nada. É uma história que te fará refletir o porquê desse tipo de comportamento.


“Ela não queria ver, mas viu; a iluminação era muito forte, e ela via a cara de todos. Bocas, dentes, olhos. Via as próprias mãos sujas de sangue seco na frente do rosto”.


          Narrada em terceira pessoa, aqui temo um enredo polêmico, abordando temas como obsessão, psicopatia, bullying e revanche. Os personagens são de personalidade forte e capaz de chegarem ao fim do mundo em prol de algo que desejam, destaque para a mãe de Carrie, que deixa o leitor abalado pelas suas atitudes. O que me chamou a atenção também, foi a descrição dos cenários pelo escritor, algumas vezes bem sombria.
  
 
 

          Gostei muito do prefácio que há na obra publicada pela editora Suma de letras, onde o próprio King escreve, contando um pouco sobre sua vida e da obra em questão. É uma história curta e rápida de se ler, mas que nas adaptações cinematográficas, muita coisa é cortada, o que poderia ter deixado o filme mais assustador.
 
 
 

          Portanto, não deixem de ler “Carrie – a estranha” e fique sabendo o que aconteceu realmente com essa pessoa enigmática, desde o nascimento até seu sepultamento, pois o final do filme não é o mesmo da obra e só lendo para saber e já digo que passa longe do que está nas telas. É surpreendente. Recomendo a leitura. A tradução é de Adalgisa Campos da Silva.


@Gustavo Barberá – 08/01/2020.

Menu

3 comentários:

  1. Esse livro mostra bem o lado cruel e maldoso do ser humano. E acho que foi a parte que mais pega do que o terror em si.
    O filme poderia ter mais do livro, com certeza deixaria tudo mais tenso e com mais terror.
    Gostei muito do prefácio e agradeço por me enviar.

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Como grande fã do King que eu sou, tenho vergonha de dizer que ainda não li esse livro. Mas pretendo fazê-lo essa ano ainda. Claro, conheço um pouco a história, já vi os filmes algumas vezes (tanto o mais antigo, quanto o recente, como a Julianne Moore. Que aliás, está incrível no papel da mãe da Carrie), mas sabemos que o filme sempre deixa coisas interessante de lado em função da agilidade que o cinema requer.

    ResponderExcluir
  3. Esse é para mim, sem dúvida, o melhor livro do King e olha que eu AMO o Cemitério (que supera tudo em terror). Mas, esse foi o primeiro livro livro publicado por ele. Aos 26 anos e ele nem gostou da história baseada em duas colegas de escola. Chegou a jogar o material no lixo e se não fosse por Tabatha King, não teríamos essa trama. Não gosto das versões feitas para o cinema, prefiro o livro...
    bacio

    ResponderExcluir