Resenha do livro "Descolorindo Eloáh"











Título Original: Descolorindo Eloáh
Autores: Felipe Saraiça
Ano: 2019
Editora: Pendragon
Páginas: 248
Onde comprar:
Amazon

*Livro gentilmente cedido pelo autor.
 
     Em um mundo em que se possui uma sociedade rotuladora e preconceituosa, algumas pessoas sofrem com suas particularidades. Esse culto à raiva social e à exclusão humana levam muitas pessoas a desenvolverem problemas como depressão, instigando-as a realizarem procedimentos desesperadores e trágicas. E um desses momentos estará sendo abordado em “Descolorindo Eloáh”, um drama reflexivo e polêmico, se assim podemos dizer.

     A obra conta a história de Eloáh, um garoto de dezessete anos, que de bem coma vida, se descobre ser transexual e com isso sofrerá as consequências discriminatórias, não só na escola com alunos sem escrúpulos, mas em casa principalmente, onde não terá o apoio da família.

     É uma trama que se aproxima muito da realidade dos jovens atualmente, que independente do tema do livro, sentem-se isolados, excluídos e abandonados. Fatos como se cortarem, está presente na história, pois isso acontece diariamente com eles e a falta de apoio e um ombro amigo para poder conversar.
 

 

     Narrado em primeira pessoa pelo próprio Eloáh, a obra possui um enredo fluído e intenso, onde prende demais a curiosidade do leitor, sensibilizando-o e fazendo-o refletir da sociedade podre e preconceituosa em que há atualmente. Aqui temos vários temas polêmicos, como ganância, adultério, assédio moral e trapaça.


“Mundo é injusto demais para estar nele sem amigos”.



     Com personagens fortes e marcantes, temos dois que merecem destaque. Um é Silas, pai de Eloáh, uma pessoa asquerosa, pastor de uma igreja evangélica, onde precisa mostrar as aparências de uma família feliz e unida para as pessoas, mas entre quatro paredes é a pior pessoa que existe. Temos também Eliz, uma psicóloga trapaceira e charlatã, atuando com seu diploma cassado e torturando Eloáh, pois ela via sua condição como uma doença a ser curada.
 



     Outro tema a ser destacado na obra é o fato do dinheiro falar mais alto, fato que acontece nos dias de hoje. Silas precisava mostrar o exemplo para poder arrecadar dinheiro dos fiéis e a diretora da escola particular que Eloáh estudava, fazia vista grossa de alguns alguns alunos que aprontavam com ele pelo fato de serem filhos de pessoas importantes e muito ricas, onde sempre estavam fazendo doações em dinheiro que eram desviadas. Essa personagem (diretora) também é um exemplo explícito de corrupção e falta de ética.


“Deitado, olho para o meu teto branco como se ali pudesse encontrar uma saída, um portal, ou qualquer coisa que fosse capaz de me tirar desse fundo do poço ao qual apelidei de vida”.



    O livro é muito agradável de se ler, possui capítulos curtos, sua diagramação é muito bonita e digo que não é um livro com uma história LGBT, mas sim com um drama que aborda preconceito, discriminação e a falta de apoio para jovens que precisam. Problemas familiares corriqueiros também ocorrem na obra e o mais bonito é que essa história nos mostra que a verdadeira amizade ainda existe. Aqui temos como exemplo, Eloáh, seu colega de sala, Samuel, e seu vizinho, o idoso Luís, onde um podia contar sempre com o outro.



     Portanto, quem gosta de uma história que toca profundamente a alma, não deixe de ler “Descolorindo Eloáh”, que irá despertar todos os sentimentos que um ser humano possui: alegria, tristeza, ira, compaixão e outros elementos cartásticos. É uma leitura que as pessoas precisariam fazer para refletirem sobre a sociedade sem escrúpulos que estamos presenciando atualmente. Recomendo para todos.





Sobre o autor



Felipe Saraiça, nasceu no Rio de Janeiro, mas mora atualmente em Niterói e cursa jornalismo na Universidade Carioca (Unicarioca). No final de 2015 participou de um projeto chamado Imaginar/Contadores de Histórias, e com ele teve a oportunidade de subir o Morro da Babilônia e ler para as crianças carentes da comunidade. Esse projeto o fez ver a literatura com outros olhos e como os livros podem ajudar as pessoas a fugir da realidade que se encontram. Palavras de Rua é seu primeiro livro. 

     O que o faz escrever é a ideia de poder trazer novos sentimentos para quem estiver lendo, sejam alegres ou tristes. Tem a mania de observar as coisas ao seu redor com outros olhos, de conhecer o lado das pessoas que elas não costumam demonstrar e costuma que costuma o definir é do filme 500 Dias com Ela: “Eu gosto de observar os detalhes que ninguém vê ''.

 
@Gustavo Barberá – 10/04/2020.


 

6 comentários:

  1. Que história bela e forte, ao mesmo tempo, tão importante a ser abordada, principalmente aos pais, aos educadores, de forma a saberem lidar com esta dura e presente realidade, e aos próprios jovens. Quero muito ter a possibilidade de ler e de me envolver nesta narrativa, em possibilidade, por todos estes fatores, mas também por ser um livro publicado pela PenDragon, que é uma editora que gosto bastante!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Interessante! Um livro bem atual! Gostei!

    ResponderExcluir
  3. Que capa linda! Não conhecia o autor e gostei bastante da resenha...Obrigada pela indicação.
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Amei o livro já pela capa (julguei pela capa mesmo, #shameonme), mas a história me chamou bastante a atenção pelo seu tempo tão importante e necessário a ser discutido atualmente. Vai já para minha lista de futuras leituras.
    E caramba, que belo trabalho de leitura o autor fez. Por mais iniciativas assim *-*
    Parabéns pela resenha e obrigada pela dica de leitura.
    Beijinhos e boa semana.
    Isabelle
    https://blogalgodotipo.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  5. Oi Gustavo, lembro da pergunta que vc me fez sobre o nome Eloáh e agora lendo a resenha do livro a história ficou mais clara. Infelizmente o mundo é injusto e preconceituoso, fiquei com pena do Eloáh não encontrar apoio na família, mas ao mesmo tempo ele possui amigos fiéis. O sentimento da amizade verdadeira é muito bonito e ajuda a ultrapassar barreiras tão difíceis que a vida pode apresentar.

    ResponderExcluir
  6. Olá amigo!

    Já fiquei bem interessado na proposta desse livro! Já quero conhecê-lo mais na íntegra. Uma história bem atual e que me chamou muito a atenção.

    ResponderExcluir