O Baile infernal

 


 

     Melissa estava com os nervos à flor da pele. Revoltada por morar na zona rural, onde uma fazenda era quilômetros distante da outra e da cidade, a jovem sentia-se isolada e desatualizada da vida moderna que gostaria de ter. Vaidosa e inteligente, sonhava em fazer parte da sociedade e ser popular com muitos amigos.

 

     Filha de um humilde pescador e de uma simples dona de casa, ambos de bom coração, eles tentavam diariamente conversar com sua filha sobre a vida que possuíam e agradeciam a Deus todos os dias por terem aquele emprego de caseiros na fazenda. Eram muito religiosos. Menos sua filha, que os culpavam por ter aquela vida miserável. 

 

     Certo dia, Melissa acordou decidida:

 

     - Vou procurar um baile para ir hoje.

 

     Se arrumou e foi a procura de algum evento dessa categoria, ficou fora o dia todo e voltou frustrada e sem expectativas. Mas Melissa não era de desistir, a garota tinha uma personalidade forte e persistência era uma de suas qualidades.

 

     - Mãe, tire o meu melhor vestido e passe-o que irei ao baile hoje à noite.

 

     - Minha filha, você mesmo disse que não encontrou nenhum, como irá à um?

 

     - Eu irei! Nem que esse baile seja no inferno!

 

     Ao ouvir essas palavras, o corpo de sua mãe ficou todo arrepiado. Sem falar nada, a simples senhora acatou a ordem de sua filha e preparou sua roupa.

 

     Eram dez horas. Melissa tomou seu banho, se arrumou, se maquiou e saiu sem se despedir de seus pais.

 

     Do casebre em que morava até a estrada era uma longa caminhada em meio a árvores e touceiras de capim que fechava o caminho. Durante o trajeto, Melissa ouviu trotes de algum animal se aproximarem dela. De repente um cavalo branco para ao seu lado com um rapaz lindo, tão lindo que ela jamais tinha visto na vida, trajando um terno branco e com um sorriso sedutor.

 

     - Vamos, venha comigo bailar nas profundezas do inferno!

 

     - Quem é você?

 

     - Aquele que invocou hoje durante seu ato de ira.

 

     Nesse momento a mãe de Melissa ouve um estouro vindo do pasto. Segurando o terço e em lágrimas, faz uma oração e logo após se despede.

 

     - Adeus minha filha!!!

 

Autor: Gustavo Barberá (Leitura Enigmática)

 

@Gustavo Barberá - 11/10/2020.

 

Menu

 

10 comentários:

  1. Oi Gustavo, tudo bem?
    É triste quando as pessoas não conseguem aceitar a vida que possuem, o que é bem diferente de ter sonhos e correr atrás deles. No caso dela, me lembrei daquele pensamento que diz que devemos ter cuidado com o que desejamos. É bem curtinho, mas ficou legal.
    bjs.
    cila.

    ResponderExcluir
  2. Oi Gustavo!

    Poxa, adorei a sua história. ficou curtinha mas ficou muito boa! Quando acabei de ler eu pensei naquela frase de mãe de cuidado com o você pede pro universo. Bem interessante a proposta da sua história, ficou muito bacana!!

    ResponderExcluir
  3. Olá!

    Melissa é o tipo de pessoa que não aceita as coisas boas que a vida lhe ofereceu, o pouco para algumas pessoas acaba sendo muito.
    Ela acabou tendo o final que esperava. Adorei o conto!

    ResponderExcluir
  4. Oiii!

    Que incrivel e envolvente, parabéns!
    Poucas palavras, mas o suficiente para entreter. Odiei Melissa, como disseram nos comentários, é realmente triste como as pessoas não conseguem se adaptar com o que tem.

    Parabéns pela escrita!

    Beijinhos,
    Ani
    www.entrechocolatesemusicas.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem? Eita que texto intenso e tenso haha gostei bastante da forma como foi construída, a criar expectativas, e esse final foi sensacional. Adorei!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi, tudo bem? Você escreve muito bem. Tem talento. A história ficou curtinha mas acredito que conseguiu atingir o objetivo e envolver o leitor. Conforme fui lendo não imaginava que terminaria assim, gostei de ser surpreendida. Parabéns! Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  7. Oi oi,
    de inicio pensei que você estava apenas criando um conto rápido e leve, aqueles cheios de esteriótipos sobre mocinhas, terror ou que tenham suspense. Mas assim que terminei de ler fiquei chocada com o seu talento para a escrita. Meu querido, comece a escrever mais e colocar nas redes sociais, porque você, alem de talentoso consegue prender o leitor do inicio ao fim (palavras de uma leitora Beta, que trabalha lendo e opinando obras de autores nacionais). Amei a sua história e espero poder ler mais como essa em breve.

    Beijoss, Enjoy Books

    ResponderExcluir
  8. Oi Gustavo, tudo bem ?
    Primeiro preciso dizer que amei o seu conto, quantas e quantas vezes não somos gratos ao nosso dia e acabamos como a mãe ?
    Você escreve muito bem e me prendeu do ínicio ao fim, além disso, foi capaz de surpreender.
    Parabéns Gu. Escreva mais.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Conto bem legal e interessante, daria até mesmo um conto mais longo ou até um livro. Curti demais, por mais textos seus!

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo bom?
    Seu conto é curto, mas muito bem escrito e prende a atenção. O final é macabro, mas igualmente interessante e surpreendente. Já quero ler mais contos e textos seus!
    Beijos!

    ResponderExcluir