Projeto lendo Poe - Resenha do conto "O barril de Amontillado"







Conto: O barril de Amontillado
Livro: Edgar Allan Poe – Medo clássico, vol. 1
Autor: Edgar Allan Poe
Editora: Darkside
Ano: 2017
Páginas: 400
Onde comprar:
Amazon, Darkside

 Olá leitores, tudo bem? O Leitura Enigmática, junto com o blog “Conduta Literária” estamos com o projeto #lendopoe e hoje é a vez de lhes apresentar a resenha do conto “O barril de Amontillado”.

     O conto nos traz Montresor, um homem magoado com seu amigo Fortunado que duvidava que ele tinha um barril de vinho Amontillado e que gostaria de ver por ele mesmo. Irado com sua dúvida, ele leva seu amigo até uma casa e conforme vão descendo para um tipo de porão com paredes úmidas, a história vai se tornando bem sombria.


 

     O tema central dessa obra é a vingança, onde é premeditada pelo protagonista e Poe não deixa muito claro o porquê disso, entretanto, o conto mostra muita subjetividade e emoção a mostra. Nota-se um certo sofrimento do mesmo em relação a sua vida e da forma como é visto pelos amigos. Talvez seja até paranoia dele, mas o mesmo leva a sério tal sentimento.


“Não haveria apenas de puni-lo, mas iria puni-lo com impunidade”.


     Narrada em primeira pessoa, pelo próprio Montresor, conforme a trama vai se desenvolvendo, a marca registrada de Edgar Allan Poe que é perturbar o leitor e deixá-lo aterrorizado começa a aparecer com as estratégias tomadas pelo protagonista e sua ideia de vingança. É sensacional como o escritor conduz a cena sombria com o objetivo de nos impressionar.


 

     É um conto curto, mas que passa para o leitor o suficiente da maldade e da ira humana e o que uma pessoa nesse estado é capaz de fazer por revanche. Ele mostra o grau de tragédia que um psicológico afetado pode fazer acontecer.


“Continuei, como de costume, a sorrir para ele, que jamais percebeu que agora eu sorria imaginando sua destruição”.


     E se ficou curioso, não deixe a mesma te consumir, leia esse conto e veja o que aconteceu no final, qual o destino dos dois personagens, que já te adiando que não foi nada agradável. 





Sobre o escritor

 

Edgar Allan Poe (1809-1849) foi um poeta, escritor, crítico literário e editor norte-americano. Autor do famoso poema “O Corvo”. Escreveu contos sobre mistério, inaugurando um novo gênero e estilo na literatura.

Edgar Allan Poe nasceu em Boston, nos Estados Unidos, no dia 19 de janeiro de 1809. Filho de atores ambulantes, quando tinha um ano, o pai deixou a casa e, no ano seguinte a mãe faleceu. Com dois anos foi adotado por um rico comerciante escocês. Fez seus primeiros estudos em Glasgow, na Escócia, e em um internato em Londres, onde a família se estabeleceu.

Em 1820 já estava de volta aos Estados Unidos onde continuou os estudos em uma escola de Richmond, Virgínia. Em 1823 escreveu seus primeiros poemas. Em 1826 ingressou na Universidade de Virgínia. Nessa época envolveu-se com o jogo e o álcool. Tinha uma relação conflituosa com o pai adotivo.

     Em 1827 publicou seu primeiro livro de poemas “Tarmelão e Outros Poemas”. Já em 1829 vai viver com sua tia e uma prima. Em 1830, Allan Poe ingressa na Academia Militar de West Point. Depois de oito meses foi expulso por indisciplina. Em 1831 publica o livro “Poemas”. Em 1833 recebe um prêmio do Saturday Visitor, por seu “Manuscrito Encontrado Numa Garrafa”.

     Em 1835 Allan Poe tornou-se editor literário da Soltber Literary Messenger. Nesse mesmo ano, casa-se com sua prima de apenas 13 anos. Seu problema com a bebida se agravou, sendo despedido do emprego. Muda-se para Nova Iorque, trabalha em alguns periódicos e escreve suas obras. Em 1847 sua mulher morre, agravando ainda mais o seu vício com o álcool.

     Em 1849, após viajar de Richmond para Baltimore, perde-se pelas ruas, sendo encontrado bêbado, delirando em uma taberna e levado para um hospital onde passa seus últimos dias.

     Edgar Allan Poe morre em Baltimore, Maryland, Estados Unidos, no dia 7 de outubro de 1849.

     Allan Poe deixou poemas, contos, romance com temas de mistério e de horror. Muitas de suas obras exploram a temática do sofrimento causado pela morte. O poeta acreditava que nada seria mais romântico que um poema sobre a morte de uma mulher bonita.

     É considerado o criador do conto policial, seus poemas mergulham na tristeza e as narrativas em temas de morte, que refletiam os tormentos do autor. Por outro lado, possuía grande capacidade analítica sendo considerado o pai das modernas histórias de detetive. Sua primeira novela policial foi “Assassinatos na Rua Morgue” (1841).

     Suas obras foram um marco para a literatura norte-americana contemporânea, com destaque para "Contos do Grotesco e Arabesco” (1837), contos que influenciaram diversas gerações de escritores de livros de suspense e terror, e os poemas, “O Gato Preto” (1843), “O Corvo e Outros Poemas” (1845) e “Annabel Lee” (1849). (Fonte, clique aqui).


@Gustavo Barberá – 11/09/2020.

5 comentários:

  1. Acho esse conto um dos mais impactantes do Poe. Realmente uma pessoa com um psicológico abalado é capaz de fazer coisas terríveis que talvez não faria em seu estado normal. Boa escolha de leitura!

    ResponderExcluir
  2. Nossa, já li esse conto e ele é realmente impressionante! A escrita do Poe impacta de tal forma que nos faz ficar pensando depois, sabe, e é o que acontece nesse.
    Parabéns pela leitura e continuem com o projeto de leitura (ótima escolha de autor!)

    https://lendocomosgatos.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  3. Quando li a primeira vez sobre esse projeto, me animei para acompanhar e até comentei por aqui. Li muito pouco de Poe e achei que seria uma boa oportunidade de ler mais e além disso eu tinha baixado gratuitamente o um e-book disponibilizado por uma editora que no momento não me lembro qual. Pois bem, não consegui acompanhar o projeto, mas li alguns contos de livro, embora não os mesmo que vocês, estou lendo de forma aleatória, escolhendo o conto que me chama mais atenção. O Barril de Amontillado eu já li, mas não agora, li em um livro só de contos de terror há muito tempo atrás, mas é uma história que não me esqueci porque achei bem impressionante.

    ResponderExcluir
  4. Nossa, esse conto é incrível e assombroso! Também tenho essa edição da Darkside, mas ainda não li todos os contos. Mas dos que li esse foi um dos que mais gostei!

    ResponderExcluir
  5. Eu adoro esses posts... até porque acompanhar a leitura de Poe é uma delícia e saber as impressões a respeito do que leu, então: uma delícia.
    Mas agora eu vou buscar o meu exemplar na prateleira para releitura porque confesso que já não me lembro mais desse conto.

    bacio

    ResponderExcluir