Resenha do conto "Prazer em conhecê-los"






Título Original: Prazer em conhecê-los
Autor: Robson Cuer
Ano: 2020
Páginas: 16
Onde comprar: Amazon

Com o surgimento da internet, muitos dizem que esse meio tecnológico é tóxico, que só levam as pessoas ao mal caminho e não há nada de bom. Engano e alienação de quem diz isso. Sabendo operar essa ferramenta, ela poderá nos trazer muitas conquistas e em menos tempo que antigamente. É o iremos ver nesse conto, escrito por Robson Cuer.

     Aqui temos o personagem Marcos, mais conhecido como Quinho, um garoto solitário em sua infância e adolescência, o qual tinha muita curiosidade de saber quem era seu pai, que o deixou e sua mãe nunca tocou no assunto dele para seu filho. E após um acontecimento trágico, em seu leito, ela toca nesse assunto e ele ao investigar pela internet, descobre seu paradeiro. A partir daí muitas emoções vêm à tona.


 

     Esse conto é um turbilhão de sentimentos, o autor trabalhou bem o tema família que é essencial na vida de qualquer pessoa. De uma forma sutil e apreensiva, o conto deixa o leitor receoso em ser aceito pela sua nova família, não só pelo fato de ser um irmão em que ainda seria confirmado tal título, mas por outro fato que ele confessa, sendo este, se desejar saber, só lendo a história.

“Nada na vida é por acaso”.

      Narrada em terceira pessoa e com um enredo muito bem construído, quem for sensível e se emociona fácil, prepare o lenço, pois lágrimas rolarão. É uma história de calor humano, com muito carinho e amor presentes entre os personagens que irradiam paz e conforto ao leitor, que nem percebe chegar ao fim do conto de tão envolvido que fica.


 

Então, se deseja ler uma história de irá aquecer demais seu coração, corra e garanta seu exemplar, pois verá que às vezes o destino nos presenteia com coisas boas também e pode exonerar a tristeza que está ao nosso lado, dando lugar uma alegria incomensurável. 



Sobre o autor



 Natural de São Paulo, se encantou com os livros muito cedo, apaixonado que era pelas histórias que sua avó lhe contava para dormir e mergulhado nos gibis que sua tia Maria Izabel lhe dava. Para ser voluntário na Sala de Leitura Cora Coralina da Escola Rivadávia foi um pulo. Mergulhou nos livros como um atleta da leitura e sonhava com o dia em que seria igual a seus ídolos Monteiro Lobato, Maurício de Souza e Marcos Rey. 

Por ironia do destino, brincando no Facebook com pequenas tiradas de sua relação com seu cachorro Erasmo, se assustou com a receptividade das crianças e adultos que se emocionavam com as situações lúdicas que criava. Resolveu então criar a história que lança pelo Grupo Editorial Coerência.

@Gustavo Barberá – 09/08/2020

2 comentários:

  1. Que bonito, contos e/ou tramas que envolvem relações familiares costumam me emocionar bastante e pela sua resenha vejo que com Prazer em Conhecê-los não será diferente. Ótima sugestão de leitura para quem gosta de tramas sensíveis e tocantes.

    ResponderExcluir
  2. Interessante. Eu não conheço meu pai, sei que ele nunca quis me assumir e minha mãe decidiu não correr atras dele, preferiu me criar sozinha, não é um tabu pra mim falar sobre isso, mas sei que para muitas pessoas que passam a mesma situação, acaba sendo difícil, principalmente na adolescência.
    Abraços!

    ResponderExcluir