Resenha do conto "Sinhô - Sangue na serra dos cristais"

 




Título Original: Sinhô – Sangue na serra dos cristais
Autor: Túlio Augusto Lobo
Ano: 2020
Editora: independente
Páginas: 88
Onde comprar:
Amazon 

 

Sinhô – sangue na serra dos cristais é um conto baseado em fatos reais que se passa na região da cidade de Pirenópolis, no estado de Goiás. Aqui, realidade e ficção se misturam, conquistando o leitor com uma história agradável, divertida e surpreendente.

 

     Com um texto fluído e contagiante, aqui temos a ganância e o egoísmo do homem com o objetivo de enriquecer, além da exploração e destruição do ecossistema local, trazendo consequências para o pequeno povoado que lá vivem. Não posso deixar de citar a personagem Nhá Benta, que me chamou demais minha atenção. Eu ria sempre da coitada que teve um destino tão cruel, mas não conseguia me segurar de sua participação na história. Ela foi a melhor.

 

 

     Narrado em terceira pessoa, o enredo me prendeu demais a trama e me fazendo refletir sobre o comportamento humano e que as falcatruas cometidas pelo mesmo, vem atravessando pelo tempo. A maldade e a mentira também aparecem, me deixando revoltado com os acontecimentos que elas provocam, fatos que estão presentes até hoje, o autor deixa implícita essa comparação.

 

     Temas chocantes como escravidão, preconceito, adultério e violência estão presentes de uma forma bem concisa, sem que assuste o leitor, mas são mostradas da forma como elas realmente são conduzidas. Aqui, máscaras caem e as pessoas em determinados momentos mostram quem realmente são.

 

“Eu sou um homem da lei, mas acho que deveríamos tomar uma atitude em relação àquela gente afrontosa do topo da serra, afinal você deu a permissão para aquele baixinho explorar aquelas terras e, como eu vejo, tem todo o direito de revogar, mesmo que seja pelo uso da força”.

 

     A parte gráfica do livro me agradou muito, as ilustrações são delicadas e parecem que nos transporta para a narrativa, casam perfeitamente com os textos, aqui presentes, além de ter uma bela capa e uma fonte muito tranquila de se ler.

 

     Ao final do conto, o autor coloca fotos de alguns locais em que ele cita como cenário na história, o que nos deixam mais claro dos lugares abordados na narrativa. E não posso deixar de relatar que conforme a história avança, a mesma começa a esquentar, o que impossibilita o leitor de largar a obra, pois a curiosidade fica tão aguçada que queremos saber onde que essa trama irá parar. 

 

 

     Portanto, não deixem de ler esse conto que está sensacional e irá desejar participar junto de seus protagonistas, pois vai além de um conto coloquial, mas uma história que nos passam questões de ética, honestidade e princípios, assim como a reflexão dos mesmos.

 

 

 

Sobre o autor

 

Túlio Augusto Lobo nasceu em Goiânia, em 1987. Formou-se em História, sendo o primeiro de toda a família a ter formação superior e trabalha como professor da rede pública, desde 2014. Sempre gostou de observar a sociedade, as pessoas, suas ações e reações no convívio social. Para ele, olhar o mensageiro e a mensagem, sempre foi um tipo de passatempo.

 

Seus escritos são seu olhar sobre o mundo e sobre a si mesmo. Não escreve para agradar, mas apenas sem medo de expor certo nível de rejeição pelo modo como as coisas normalmente são no mundo e porque, além de uma crítica social, escrever também é um exercício de autocrítica.

 

 

@Gustavo Barberá – 27/11/2020.

 

Menu

 

6 comentários:

  1. Eu tinha ouvido falar dessa obra outro dia, achei muito interessante a premissa e ainda mais por ter essa base histórica.
    Como o autor, tbm sou formada em História hehehe
    Espero ter a oportunidade de ler. Fiquei curiosa em saber sobre a tragédia que Nhá Benta passou.

    Tschüss 😘

    ResponderExcluir
  2. a premissa é muito boa, e as temáticas são realmente instigantes, ler sobre esses conteudo tem seu peso mas sua importÂncia também.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, achei super interessante e diferente a abordagem dessa obra. Parece realmente ser digno de uma boa resenha, para que mais pessoas venham a conhecer! Já fiquei interessada.
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Quando realidade e ficção se misturam, a coisa fica mais envolvente ao menos para mim, hehehehhehe não conhecia o conto e já me interessei quando vi o título. Saber das temáticas que envolve a narrativa me deixa mais curiosa

    ResponderExcluir
  5. Eu achei uma leitura muito impactante e necessária! Gostei muito de ler mais esse conto do autor. Achei ótima a maneira dos temas abordados como o preconceito e a escravidão de modo bem realista. Sem dúvida, me trouxe muita reflexão!

    ResponderExcluir
  6. Parece ser um conto bem divertido mesmo, fiquei com vontade de conhecer esses personagens. Morei em Goiás, mas não tive a oportunidade de conhecer Pirinopolis.

    ResponderExcluir