Resenha do livro "A alcateia"

 




Título Original: A alcateia
Autor: Glauco J. S. Freitas
Ano: 2019
Editora: Pendragon
Páginas: 228
Onde comprar:
Amazon, Pendragon

 

 * Obra gentilmente cedida pela editora.

 

      A alcateia é uma obra que irá te surpreender pelo teor que essa história nos apresenta. É um romance policial, com toques sobrenaturais que juntos irão criar um clima aterrorizante e eletrizante. Esqueça a corriqueira e tediosa perseguição de polícia e bandido, aqui a coisa é bem diferente.

     A história se passa em Curitiba, onde jovens estão desaparecendo misteriosamente e após algum tempo são encontrados de forma bizarra. Suspeita-se que eles são submetidos a rituais satânicos e a partir daí o investigador Flávio Patrezzi, junto de seu auxiliar, o médium Alexandre Matsui dão início a uma árdua investigação e não irão imaginar o que lhes aguardam.

 

 

     Leitor, que obra é essa! O autor não poupou ação e terror. Além desses citados, também se encontra muito mistério e enigmas, te prendendo a todo momento com cenas inacreditáveis de se pensar se aquilo realmente está acontecendo. Em certas passagens me sentia como se estivesse assistindo o filme “Renascido do inferno”, de tão surreal que era tal ato.

 

"A boca estava aberta num sorriso maníaco de poucos e apodrecidos dentes onde uma língua gosmenta dançava enquanto os olhos leitosos pareciam querer saltar pareciam querer saltar para fora das órbitas”.

 

     Narrada em terceira pessoa, o livro possui um enredo muito fluído, em momento algum a história se torna arrastada ou parada, ao contrário a cada página lida, um novo acontecimento está a sua espera para te surpreender e te deixar atormentado. A presença de seres sobrenaturais faz com que você fique aterrorizado, mas curioso para saber o que acontecerá.

 

 

     O protagonista passa por mal bocados, ele sentiu em certos momentos aquele velho ditado na pele: “Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come”. Como fiquei aflito em certos momentos, chegava até conversar com o livro “Ih, agora ferrou! Não tem como escapar”, mas o autor com todo seu talento na escrita, sempre conseguia inserir uma válvula de escape para ajudar o personagem.

 

“Aquilo se arrastava na direção deles, então erguia um braço ou uma perna, que se dobrava, na costura feita com arame, e puxava-se desajeitadamente para frente”.

 

     E falando em personagens, os mesmos são poucos que aparecem na história, mas o suficiente para enfrentarem inúmeros seres sobrenaturais que os farão passar por situações bem trevosas e até conversar com o capiroto que apronta no final da história que me deixou arrepiado.

 



     Não posso terminar essa resenha sem falar na beleza que é essa obra. Além da bela capa, o interior da obra possui uma diagramação belíssima, com uma fonte muito confortável de se ler e uma ilustração incrível na folha de rosto. A editora Pendragon caprichou mesmo.

 

“O caçador alcançou a faca no cinto de Patrezzi e arremessou. A lâmina penetrou fundo na cabeça da criatura. Mas não serviu nem para freá-la”.

 

     E se você é um apaixonado por histórias de terror e romances policiais, não sabe o que está perdendo, caso não leu ainda “A alcateia”, que vai muito além do que o coletivo de lobos, corra e garanta essa obra que irá te deixar atormentado, mas sem querer largá-la até ser finalizada, pois é uma narrativa viciante e fenomenal.

 

 

 

 

Sobre o autor

 

Nascido em maio de 90, o autor curitibano não esconde seu amor pela ficção e fantasia japonesa. Desde sempre, o autor de 27 anos aposta nas mais diversas vertentes do gênero.

 

Iniciada no fim do ano passado com o lançamento da fantasia urbana/terror "A Alcateia", sua carreira literária também possui  uma incrível fantasia épica inspirada no folclore nacional.

 

Tem como autor favorito e principal influência, o britânico Bernard Cornwell, mas não esconde a forte predileção pela ficção fantástica japonesa.

 

 

@Gustavo Barberá – 21/09/2020

 

Menu


 

8 comentários:

  1. Obrigado pela resenha!!! Fico muito feliz que tenha gostado!! Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem? Eita que parece uma mistura bem bacana. Não me recordo aqui se já li uma obra com essa mistura de terror com romance policial, mas gostei da proposta do autor! Além do mais, a edição parece realmente caprichada! Curiosa com esses seres sobrenaturais hein?! Dica anotada!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oii!

    Eu amei a capa! Como já disse diversas vezes por aqui, não é bem o meu estilo favorito de obra, mas eu fiquei animada com a leitura depois da sua resenha, eu gosto de romance policial, mas terror sempre fico com o pé atras, a mistura dos dois pode ser bem interessante.
    Gostei da sua resenha!!

    Beijinhos,
    Ani
    www.entrechocolatesemusicas.com.br

    ResponderExcluir
  4. Uau! Esse livro parece ser intenso! Já me agradou a resenha, a capa me encantou e principalmente o fato do autor ser brasileiro me deixou muito feliz!

    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Oi. :)
    Apesar de ter amado a capa, não curto muito romance policial, já tentei gostar, mas não passo da primeira folha. Pra mim é igual livro que entrelaça romance com guerra, não me desperta interesse.
    Esse livro em questão, eu daria uma chance pois gostei do enredo, mesmo não sendo meu gênero.
    Parabéns pela resenha.

    Beijos.
    Manuscrito de Cabeceira

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Não conhecia essa obra e já gostei da premissa, adoro esses suspense e enredo.
    Dica anotada.

    Beijos
    Leiturasdatah.live

    ResponderExcluir
  7. Histórias policiais eu encaro, mas terror não... rs Achei a capa linda e suas fotos super valorizaram a obra.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Olá, Gustavo! Tudo bem?

    A edição parece que está bem legal e confesso que não conhecia o livro e o autor, mas achei interessante a premissa. Gostei da sua resenha, ficou bem escrita e organizada. Dica anotada!
    Abraço!

    ResponderExcluir