Resenha do livro Columbine










Título Original: Columbine
Autor: Dave Cullen
Ano: 2019
Editora: Darkside
Páginas: 544
Onde comprar:
Amazon, Darkside


Em 20 de abril de 1990, acontecia um fato na escola Columbine, no Colorado que ficaria para sempre marcado na história das maiores chacinas dos Estados Unidos que deixaram famílias abaladas e destruídas permanentemente.
 


     Nesse dia dois alunos dessa escola – Eric Harris e Dylan Klebold – premeditaram um assassinato em massa na escola Columbine, onde dezenas de pessoas, entre alunos e professores foram mortos e outros gravemente feridos, deixando sequelas permanentes e traumas psicológicos. A repercussão foi tanta que o jornalista Dave Cullen resolveu juntar material e escrever um livro contando toda essa tragédia, que se tornou referência mundial quando o assunto é esse e que foi lançado pela Editora Darkside books no Brasil.

     É uma obra forte, impactante e completa que vai deixar o leitor assustado com todos os relatos e a forma em que esses dois jovens planejaram detalhadamente tudo sem que ninguém ao seu redor como seus pais, por exemplo, percebesse.


 



     Com as mortes desses alunos, muitas famílias foram desestruturadas, suicídios aconteceram e lares foram desfeitos, com pais se divorciando, tendo suas economias abaladas por não aguentarem a permanecer na casa em que seu filho ou filha morava e resolveram-se mudar de local, sendo alguns até de cidade fizeram, causando muito transtorno em suas vidas social e financeira.
 

 “Sinto muito por isso, mas guerra é guerra”.
  
 
     Lendo essa obra, percebi quanto o povo norte americano são perturbados, pois o selo Crime Scene da Darkside traz várias obras sobre serial killers e a maioria são dos Estados Unidos e com isso vejo que as pessoas lá são bem desequilibrados, problemáticos e depressivos, tendo pensamentos psicóticos e os colocando em prática sem receios.
 



     O que me chamou atenção foi o fato de um desses alunos que cometeu os assassinatos era superdotado, com inteligência acima do normal e tinha raiva da humanidade, desejando sua extinção. Columbine também vivia em um clima de rivalidade entre alunos góticos x alunos esportistas, fato que despertava essa ira toda em Eric.
 


“A mente de uma pessoa é sempre ensanguentada... Faça velhas pessoas e outros perdedores em pedacinhos... Alunos do último ano do Ensino Fundamental precisam queimar e morrer”.



     A tensão está presente continuamente na obra, muitas acusações entre a sociedade contra a SWAT e outros órgãos de segurança, alegando negligência, falta de segurança na escola em si e até descaso por parte dos governantes no dia da tragédia foram capas de todos os jornais por meses. Fiquei imaginando a tempestade que foi para esse lugar e a falta de paz com todos que lá moram.

  


     Um fato que gostei no livro foi a explicação detalhada das características de um psicopata, o que fica explícito nesses dois estudantes e a história do livro poderia ser mais condensada, deixando a leitura mais agradável, pois tem várias partes que não acrescentavam em nada quase, deixando a mesma um pouco cansativa e arrastada, mas independente disso, a leitura é de grande valia.



“Psicopatas não tentam enganar todo mundo, guardam as atuações para as pessoas para as pessoas que tem poder sobre eles ou algo de que precisam”.
 


     Portanto, se ainda não leu essa obra aterrorizante, corra e garanta o seu exemplar para ficar sabendo detalhadamente de tudo o que aconteceu nessa escola, onde até hoje deixa muitas pessoas curiosas sobre essa história que ainda buscam respostas e que atraem vários turistas pela fama que ela conquistou. Recomendo. A tradução é de Eduardo Alves.






Sobre o autor


Dave Cullen, um dos primeiros repórteres a chegar à cena do massacre de Columbine, estudou a cobertura desse caso incansavelmente e se tornou referência no assunto. Dedicou dez anos para escrever Columbine, obra definitiva sobre o caso.

Escritor e jornalista, Cullen já contribuiu para inúmeras publicações e é considerado a autoridade principal dos Estados Unidos sobre os assassinos de Columbine. Ele também ganhou de diversos prêmios de escrita, incluindo um Edgar Award, Good Reads Choice Award, Barnes and Noble Discover Award e GLAAD Media Award.



@Gustavo Barberá – 07/04/2020.


 

 


15 comentários:

  1. Que resenha incrível, Gustavo! Amei! Esse livro aparenta ser bem impactante! Já fiquei bem curioso para ler. Amei as fotos

    ResponderExcluir
  2. Uau, lembro de ter lido sobre esse acontecimento e de ter ficado perplexa. Agradeço a Darkside por ter transportado esses relatos para essa edição digna de todas as vidas perdidas nesse infeliz episódio. Sua resenha é bem feita e pega os principais pontos!! Suas fotos autorais são fantásticas! Ainda torço para que esse tipo de literatura ganhe seu respectivo espaço!!

    ResponderExcluir
  3. Esta aí um fato que concordo contigo, a maioria dos casos de serial killers vem dos EUA... Realmente é um fato interessante e, ao mesmo tempo, bem preocupante. O que esse povo faz na sua vida cotidiana, para gerar tantos psicopatas e pessoas perturbadas mentalmente? 0.o Realmente é um livro bem forte e precisa de estômago para ler.
    Bjks!

    Mundinho da Hanna
    Pinterest | Instagram | Skoob

    ResponderExcluir
  4. Oi, não conhecia o livro e achei a capa bem diferente do que costumo ver da editora, particularmente, gostei. Sobre a tragédia em que o livro se ancora, creio que não conseguiria ler neste momento de isolamento, certamente, me deixaria desacreditada da humanidade, já sou desacreditada nos Estadunidense, acho que o país alimenta a cultura do ódio, banalização da vida, futilidade, são alienados mesmo, sem contar a obsessão por armas, os EUA é um forte modelo a não ser seguido.

    ResponderExcluir
  5. Amigo, esta obra realmente parece impactante! Eu quero poder, no tempo certo, me organizar para conseguir lê-la! Me lembro do dia que aconteceu, assisti na TV, e ficamos de fato chocados com o ocorrido. a mente humana me assusta e ao mesmo tempo me fascina! parabéns pela resenha! Feliz Páscoa!

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Ainda não conhecia o livro mas fiquei bastante interessada, pois gosto muito do gênero e de livros que tratam sobre serial killers.
    Gosto muito das edições da Darkside, e essa parece ser incrível também.
    Amei sua resenha e fiquei muito empolgada para ler. Espero ter a oportunidade em breve.
    Beijos,
    Subsolo da mente

    ResponderExcluir
  7. A pior parte é que os dois adolescentes que fizeram o massacre passaram a serem vistos como heróis e justiceiros por outros jovens que passaram por bullying e negligência discente, coisas que eles próprios passaram.
    E esse caso deu corda para que outros massacres em escolas ocorressem. Aqui mesmo, no Brasil, teve o fatídico dia em que ocorreu o Massacre de Suzano.
    Adorei a resenha, parabéns ❤

    ResponderExcluir
  8. eu comprei esse livro junto com mais outros tres e ele sera o ultimo a ser lido, mas ja to mega ansiosa pra pegar ele. essa história de columbine sempre me intrigou, o documentário tiros em columbine conta muito da história toda também, ja assistiu?
    graças a deus o brasil por mais problematico que seja nao tem isso na frequencia que tem nos eua

    ResponderExcluir
  9. Já ouvi falar uma coisa ou outra sobre esse livro do catálogo da Darkside. Nota-se que é realmente uma obra forte e impactante. Muito interessante quando a obra consegue ser tão completa ao ponto de deixar o leitor assustado com todos os relatos! Ou saber da maneira em que esses dois jovens mencionados são capazes de planejar tudo com os mínimos detalhes sem que ninguém ao
    redor deles percebesse. Acho enredos assim muito intrigantes. Acredito que eu nunca tenha lido nada parecido e nem tão impactante.

    ResponderExcluir
  10. Essa questão rmamentidta americana da muito pano pra manhã em discussões. Tem um documentário muito interessante sobre o caso chamado Tiros em Columbine. O caso teve tanta repercussão que alguns artistas escreveram músicas a respeito, se pronunciaram tbm sobre... Como Marilyn Manson e Flyleaf...
    Quanto ao livro, ainda não li mas quero. Justamente por ser um assunto que muito me desperta interesse. A cultura americana acaba contribuindo para a população agir dessa maneira, esse descaso com seus adolescentes e problemas psicológicos....

    Só um adendo, deve ter sido erro de digitação. O ano do massacre foi em 99. Ficou 1990 na resenha...

    Küss 😘

    ResponderExcluir
  11. Oie, tudo bem? Faz um tempo que li algumas resenhas sobre o livro e achei a premissa bem interessante principalmente pelas reflexões que ele permite. A literatura brasileira está muito próxima dos EUA acredito que por isso a maioria das histórias que lemos sobre serial killer seja de lá. Desde o ano passado tenho lido obras de outros países como Irlanda, Espanha, tem sido bem legal. Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  12. Não conhecia esse ainda mas gosto de ler livros nesse estilo apesar de serem fortes pois sou mãe e gosto de ver sobre o que acontece nas escolas hoje e como os jovens se comportam, quando li e assisti areia movediça não pude deixar de reparar nos deslapso e desinteresses dos pais e lendo A lista negra pude ver diversos sinais que possam ser identificados em casa. Não sei talvés seja bobeira o que eu esteja falando aqui, mas é como eu vejo as coisas como mãe. E sim a morte trágica de um filho sendo ele errado ou não dificilmente não acaba em divorcio entre os pais pois a culpa os domina. Adorei saber sobre esse e vou ler sim.

    ResponderExcluir
  13. Gustavo, esse livro com certeza vai me marcar muito.
    Sua resenha esta show e me deu muito o que pensar.
    Vou me preparar pra começar essa leitura

    ResponderExcluir
  14. Columbine é um acontecimento que me chocou muito na época que aconteceu, até porque os atiradores eram poucos anos mais velho que eu mesma. E hoje ainda me causa grande espanto porque os atiradores meio que tem "fãs", pessoas que tentam justificar o que eles fizeram em função do bullying que recebiam. Claro que bullying é inaceitável, mas nada justifica tirar a vida de alguém. Enfim, acho que é um tema proporciona discussão de vários assuntos, desde o próprio bullying até a questão da venda de armas nos EUA. O livro parece excelente, ainda não conhecia, mas fiquei bem curiosa sobre ele.

    ResponderExcluir