Resenha do livro "Por um corredor escuro"

 




Título Original: Por um corredor escuro
Autora: Lois Duncan
Ano: 2021
Editora: Planeta - Minotauro
Páginas: 208
Onde comprar:
Amazon

 

Por corredor escuro é um thriller de tirar o fôlego do leitor da forma que sua história é conduzida. Aqui teremos o auge do impressionismo, com o objetivo de confundir com as ações aqui presentes, nos deixando vidrados na leitura, devorando-a por completo em poucas horas. A trama foi um sucesso, que se tornou adaptação na Netflix.

 

     O livro conta a história de uma mansão famosa que foi comprada por Madame Duret e transformada em um internato. Nesse ano, eles receberiam novas alunas, entre elas Kit Gordan, que logo na porta da instituição, já pressentiu que o local possuía um ar diabólico. Logo após a chegada das outras garotas, fenômenos bizarros começam a se manifestar.

 

 

     A sensação que dá com o cenário dessa história é daquelas mansões assombradas que passam nos canais de documentários na tv fechada, é horripilante e sombria a forma que a autora a descreve, sempre nos deixando presos a ela, pois é hipnotizante a forma como a história vai sendo conduzida.

 

     Não é um livro que irá te assustar ou tirar sua noite de sono, mas sim, aquele que você vai para a cama não esperando a hora do dia amanhecer para dar continuidade de tão ansioso que fica e temos momentos em que o sobrenatural está presente, com entidades que perturbam as personagens, o que nos traz aquela agonia imediata.

 

“Blackwood é uma antiga mansão. É magnífica, óbvio, mas tem uma atmosfera pesada”.

 

     Narrada em terceira pessoa, a obra possui um enredo muito bem-criado e uma escrita impecável da autora, abordando um assunto que gosto demais que é a paranormalidade, foco principal da história, além de citar famosos como Emily Bönte, Franz Schubert e Thomas Cole, além de algumas cenas me fazer lembras do filme “A casa da colina”.

 

 

     Portanto, indico essa leitura antes de assistir ao filme, pois o mesmo é bom, mas foge completamente do enredo do livro, então quem leu sentirá o prejuízo que fizeram, não o desmerecendo, mas fazendo essa ressalva. É uma obra que valerá a pena, é instigante e fantástica. A tradução foi de Pedro Sette-Camêra.

 

 

 

Sobre a autora

 

 

Lois Duncan nasceu em 28 de abril de 1934 na Filadélfia, Pensilvânia, EUA, como Lois Duncan Steinmetz. Ela era uma escritora, conhecida por “Eu sei o que você fez no verão passado” (1997), “Eu ainda sei o que você fez no verão passado” (1998) e “Down a Dark Hall” (2018). Ela era casada com Don Arquette e Joseph "Buzz" Cardozo. Ela morreu em 15 de junho de 2016 em South Sarasota, Flórida, EUA.

 

 

 

 

 

 

 

 

@Gustavo Barberá – 06/05/2021.

 

Menu

3 comentários:

  1. Olá,
    Adoro histórias envolvendo casas assombradas. Por algum motivo é um tipo que diverte bem, ou deixa a gente meio mexido... haha
    Eu acho que vou assistir antes de ler, mas quero dar uma chance o livro tb pra conhecer a escrita da autora.

    até mais,
    Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, e obrigada pela ajuda lá no blog. Já estou seguindo aqui tb.

      Excluir
  2. Hey Gustavo o/

    Eu to precisando de umas histórias dessas que me deixam ansiosa para poder voltar a ler logo. Faz um tempinho que não passa um desses por aqui.

    Boas leituras,
    Karen Gabrieli | Apesar do Caos

    ResponderExcluir