Resenha do livro "Stalker"







Título Original: Bad mommy
Autor: Tarryn Fisher
Ano: 2018
Editora: Faro Editorial
Páginas: 256
Onde comprar:
Amazon


Sempre temos aquele vizinho que adora saber da vida de todos. Agora, quando recebemos um que é obcecado apenas por uma casa e essa casa fosse a sua, qual seria a sua reação? É o que acontece em “Stalker”, uma história que não é apenas uma ficção, mas sim um acontecimento baseado em fatos reais.

     O livro conta a obsessão de Fig Coxbury pela sua vizinha Jolene Avery e família. Sem ao menos perceber, Fig vai entrando na vida dos Avery e quando eles se tocam, já é tarde demais e a tragédia já está feita. Mas a verdadeira obsessão da vizinha ao lado é pela filha de Jolene – Mercy –  de apenas dois anos.
 



     É um livro que irá deixar o leitor estático, sem reações de tamanha atrocidade que a protagonista realiza, são atitudes psicóticas e premeditadas que me deixaram aflito por saber que realmente aconteceu. Essa história é como se fosse aqueles thrillers que passavam no supercine aos sábados. Extremamente agonizante.

 

“Me senti rejeitada. As pessoas não gostam de ouvir a verdade, elas se agarram a seus conceitos e tudo o que ele desvia disso causa incômodo”.
 

     Narrada em primeira pessoa, ora por Fig, ora por Jolene e hora por seu marido Darius, a obra nos traz um enredo perturbador e que prende o leitor na obra, querendo saber mais e mais do que acontecerá até o seu final, é viciante, não conseguimos parar, chega a ser como uma droga, onde queremos mais e mais história.
 


 
     Com personagens desequilibrados emocionalmente, mesmo Darius sendo psicólogo, ele apresentava comportamento bem perturbador. E temas polêmicos como adultério, aborto, fidelidade, carência e vida social conturbada são abordadas na obra, onde de uma hora para outra, sem ao menos esperarmos, uma revelação bombástica vem à tona. 



“Ela é louca, você tem um motivo para ficar abalada. Mas não é comigo. Ela quer o que você tem e eu sou só uma extensão disso”.
  

     Aqui temos uma relação psicopatia x sociopatia que é bem marcante nos personagens. E não digo só em Fig, mas em todos os protagonistas e até em alguns personagens secundários que aparecem, como alguns pacientes de Darius que nos faz pensar como existem pessoas desequilibradas emocionalmente nesse mundo e o que elas são capazes de fazer as fazendo chegar em momentos que nunca imaginamos que possam existir.
   



     E se ficou curioso e deseja sabermais dessa formidável história, não deixem de ler “Stalker” e saiba detalhadamente o que aconteceu detalhadamente com esses vizinhos, que não foi nada fácil. É uma mega leitura, vale muito a pena investir nessa obra, eu recomento demais. A tradução foi de Elenice Barbosa de Araujo.




Sobre a autora


Tarryn Fisher nasceu e cresceu em Joanesburgo, África do Sul. Aos 13 anos, emigrou com os seus pais para a América e passou os dezoito anos seguintes no sul da Florida, onde se formou em Psicologia, escreveu o seu primeiro romance e teve dois filhos.






@Gustavo Barberá – 27/04/2020.


15 comentários:

  1. Boa tarde, meu caro.
    Não conheço o livro, mas o tema é recorrente. Teve uma série com esse nome, que teve apenas uma temporada e era muito interessante. Uma agente especialista no tema não percebe quando se torna vítima de um stalker que coloca todos a sua volta em perigo. Havia outros elementos na trama, mas achei interessante a proposta central.
    Acho que o tema é fascinante porque por mais "normais" que sejamos, em algum momento sentimos uma estranha curiosidade pelo outro, mas nada que beire a morbidade, como no caso de psicopatas. Me lembrei de Janela Indiscreta, de Cornell Woolrich que virou filme.

    bacio

    ResponderExcluir
  2. É um dos livros que mais gosto da autora.. Principalmente porque é baseado em uma história real. Eu achei a Fig muito maluca e o final bem surpreendente

    ResponderExcluir
  3. Medo! Não conhecia o livro, e no momento estou fugindo de leituras assim...
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Opa, tudo bem por aí?

    Não conhecia a obra, mas achei muito interessante. É, exatamente, um dos gêneros que mais curto ler e que me faz "devorar" a história rapidinho. Dica anotada aqui, viu? Curti demais!

    Abraços!
    www.acampamentodaleitura.com

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem? Eitaaa, que loucura de livro, ein?! Nunca li nada parecido, então fiquei bem curiosa para ler "Stalker", parece ser uma leitura bem intensa. Adorei a resenha!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  6. Eu já tinha ouvido falar desse livro, confesso, mas não tinha tido interesse até ler a sua resenha! Ele tem uma premissa interessante e esses vizinhos me dão calafrios, confesso. E gosto muito que uma obra consiga demarcar e diferenciar termos da psicologia, como psicopata e sociopata. Muito bom! Vou ler assim que conseguir o exemplar. ♥

    ResponderExcluir
  7. Stalker é algo sempre assustador, é horrível pensar em alguém obcecado pela sua vida, seguindo todos os seus passos e te vigiando o tempo todo. É um tema comum em filmes e livros, mas nem por isso menos interessante. Gostei da proposta desse livro, ainda mais depois de você dizer que existem várias revelações bombásticas.

    ResponderExcluir
  8. Li um livro da autora e odiei... rs Por isso nunca mais me interessei por nada que ela tenha escrito. Mas tenho lido e ouvido tantos elogios para este livro aqui que estou querendo dar uma segunda chance pra ela.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Olá, tudo bem? Tarryn Fisher é mais minha praia quando escreve romances, no entanto quando curto uma autora quero ler tudo dela. Quem sabe quando, enfim, conhecer a escrita dela me desperte o interesse para essa obra?! Gostei das suas palavras e saber que posso ficar estática. Dica anotada!
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oi, Gustavo.
    Adorei a sua análise. Eu curto muito os livros da autora e uma das coisas que eu mais gosto é justamente o fato de não ter mocinhos e vilões! Todo mundo é sempre muito louco! Rs...
    beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  11. Livros com psicopatas são os meus favoritos! Eu amo isso e sempre acabo me afeiçoando por um personagem e chorando no final kkkkkkk. Adorei a resenha ❤❤❤❤

    ResponderExcluir
  12. Oi Gustavo!
    Sou doida para ler esse livro, mas conforme fui lendo algumas resenhas sobre ela, acabei ficando com medo por se baseado em fatos reais, mas acho que estou pronta agora kkk. Parabéns pela resenha me abriu os horizontes e já procurar o livro para ler, obrigado ´pela dica e parabéns pela resenha, abraços!

    ResponderExcluir
  13. Oi, tudo bem?
    Não sei explicar bem o motivo, mas não consigo me interessar pelos livros da Tarryn Fisher. Sempre fico com a sensação de que são intensos demais, com muito drama e personagens muito desequilibrados. Fico com a sensação de que é tudo em excesso.
    Mas sei que ela tem muitos fãs e fico feliz que essa leitura tenha funcionado tão bem para você. O enredo é bem diferente e parece ser uma leitura bastante perturbadora. Não é muito meu estilo, mas se fosse uma outra autora talvez eu daria uma chance. Quem sabe um dia né? Mas adorei ler sua resenha e fico feliz que tenha gostado tanto do livro.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Oi Gu, tudo bem ?
    Esse livro me despertou um sentimento beeeeem controverso. Eu fiquei bem curiosa em saber o quê é como acontece, mas ao saber que é real e por ter uma criança de dois anos no centro da trama me deixou em dúvida, mas eu anotei aqui para quem sabe do minha filha tiver maior.
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Oi,
    não fazia ideia que esse livro é baseado em fatos reais. Já havia lido alguns elogios a história, mas nenhuma resenha me deixou tão receosa quanto essa. Até leio livros do gênero mas como sou facilmente impressionável não o faço com frequência, não imaginei que a narrativa fosse tão aflitiva, agora vou pensar bem o momento de pegar este livro pra ler.

    Abraços!

    ResponderExcluir